Defesa reduz pista para criar de escape em Congonhas

Segundo as novas determinações da Defesa, dos 1.940 m da pista principal, apenas 1.640 m poderão ser utilizados para os procedimentos.

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, informou na tarde desta quinta-feira (13) que as pistas do Aeroporto de Congonhas terão tamanho reduzido para operações de pousos e decolagens para criar áreas de escape. Segundo as novas determinações da Defesa, dos 1.940 m da pista principal, apenas 1.640 m poderão ser utilizados para os procedimentos.

Cento e cinquenta metros de cada lado da pista passarão a ser considerados áreas de escape. Segundo o ministro, as empresas terão que se adaptar a essas novas restrições, que começam a ter validade no próximo sábado.

"Será necessário que algumas companhias aéreas alterem as configurações das aeronaves ou reduzam o peso dos aviões para se adequarem à nova realidade", disse Jobim.

A pista auxiliar de Congonhas que tem 1.435 m também sofrerá a mesma redução de 300 m. Com a nova distância, apenas aviões muito leves e de pequeno porte poderão fazer operações em Congonhas nesta pista.

O Ministério da Defesa não soube explicar que tipo de aeronave não poderá mais operar em Congonhas por conta da mudança e nem qual será o peso máximo dos aviões para uma pista mais curta.

O ministro disse que conversou com as empresas e não houve reação contrária por parte da TAM e da Gol, as principais companhias do País. "Eu falei de manhã com o presidente da Gol (Constantino de Oliveira Júnior) e agora a doutora Solange (Vieira) falou com o presidente da TAM (Marco Antônio Bologna) e está tudo bem", disse Jobim.

Fonte: Terra
A+ A-