Conselho de Ética pede cassação do presidente do Senado Renan Calheiros

A representação deve ser votada ainda nesta quarta-feira (5) na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e na quarta-feira (12) no plenário da Casa.

Agência Brasil,
Roosewelt Pinheiro/ABr
Os senadores Marisa Serrano e Romeu Tuma conversam durante reunião do Conselho de Ética.
Brasília - Por 11 votos a 4, os senadores do Conselho de Ética aprovaram há pouco o relatório de Marisa Serrano (PSDB-MS) e Renato Casagrande (PSB-ES) pela cassação do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), por quebra de decoro parlamentar.

A representação deve ser votada ainda nesta quarta-feira (5) na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e na quarta-feira (12) no plenário da Casa.

Os quatro senadores que votaram contra a cassação foram: Gilvam Borges (PMDB-AP), Epitácio Cafeteira (PTB-MA), Almeida Lima (PMDB-SE) e Wellington Salgado (PMDB-MG).

Ao justificar seu voto, Cafeteira afirmou ter presenciado em casa uma “tentativa de achaque” (extorsão) contra Renan Calheiros feita pelo advogado Pedro Calmon, cujo filho representa os interesses da jornalista Mônica Veloso, que recebia uma pensão de 12 mil reais de Renan.

O processo investigou se Renan teve contas pessoais pagas por um funcionário da construtora Mendes Júnior, Cláudio Gontijo.
A+ A-