Acionista da Cosan, família e pilotos morrem em queda de avião em Piracicaba

Empresário, a mulher e três filhos, além do piloto e do copiloto, são as sete vítimas do acidente que aconteceu na manhã desta terça-feira no interior de São Paulo.

Da redação, Estadão Conteúdo,
Reprodução
Avião caiu na manhã desta terça-feira, no bairro Santa Rosa, ao lado do Parque Tecnológico, em Piracicaba.

O empresário Celso Silveira Mello Filho, de 73 ano, morreu nesta terça-feira (14), em um acidente de avião ocorrido em Piracicaba, no interior de São Paulo.Ele era acionista da Cosan, que tem seu irmão, Rubens Ometto Silveira Mello, como presidente do Conselho de Administração. A empresa confirmou a morte do empresário em nota.

Segundo a companhia, além do empresário, morreram sua mulher Maria Luiza Meneghel, de 71 anos; a filha Camila Meneghel Silveira Mello Zanforlin, de 48; e os filhos gêmeos Celso Meneghel Silveira Mello e Fernando Meneghel Silveira Mello, de 46 anos. O acidente também causou a morte do piloto Celso Elias Carloni, de 39 anos, e do copiloto Giovani Dedini Gulo, de 24.

Um dos filhos do empresário, Fernando, era atleta de tiro esportivo. Ele foi campeão sul-americano e chegou a representar o Brasil nos Jogos Pan-Americanos de Lima, no Peru, em 2019, na categoria fossa olímpica. O outro filho, Celso, era piloto de autocross desde a adolescência e foi tricampeão brasileiro na modalidade (2011, 2012 e 2017). O pai também praticava o autocross.

O avião era uma aeronave de aviação executiva, de pequeno porte, contratada sob demanda.

Mello Filho teve participação relevante no agronegócio brasileiro, mas também se dedicou a outras atividades. No setor esportivo, Celso foi presidente do Esporte Clube XV de Piracicaba, time de sua terra natal.

O clube publicou nota lamentando seu falecimento e das demais vítimas do acidente. Na área educacional, o empresário fundou e dirigiu a Faculdade de Ensino Superior da Amazônia, em Redenção, sul do Pará.

Celso era presidente da CSM Agropecuária, no Pará, e tinha participação em empresas dos Estados de São Paulo, Paraná e Tocantins, entre elas a Vale Bonito Agropecuária. Seus negócios envolviam criação de gado e cultivo de grãos.

Foi no setor sucroalcooleiro que o economista Celso Mello mais se destacou, participando da coordenação geral de projetos na Usina Costa Pinto, matriz do grupo Cosan e da Raízen, seu braço energético.

Mello atuou principalmente para aumentar a capacidade de produção de álcool nas usinas. Ele é irmão do presidente do Conselho de Administração da Cosan, Rubens Ometto Silveira Mello, que foi apontado pela revista Forbes entre os dez bilionários  mais “verdes” do mundo, em 2013, pela produção de energia limpa.

Conforme a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), Celso Silveira “teve importante contribuição para o desenvolvimento do setor sucroenergético brasileiro”.

Prefeitura de Piracicaba decreta luto oficial de três dias

O prefeito de Piracicaba, Luciano Almeida (DEM) decretou luto oficial de três dias no município em homenagem às vítimas do acidente. “Lamento profundamente e presto minha solidariedade aos familiares e amigos das vítimas. Decretamos luto oficial no município como forma de prestar nossa homenagem neste momento tão difícil”, disse.

A Câmara Municipal baixou as bandeiras a meio mastro em luto pela morte do empresário, familiares e tripulantes do avião. Conforme o presidente Gilmar Rotta (CID), as audiências públicas e sessões respeitarão um minuto de silêncio. “Celso era uma pessoa generosa, de rara competência, um empresário comprometido com as causas sociais e com o fortalecimento da economia de Piracicaba”, disse.

Tags: acionista da Cosan mortes Piracicaba queda de avião
A+ A-