Tratamento de radiofrequência íntima devolve saúde e autoestima às mulheres

Heldon Simões,

A partir dos 35 anos muitas alterações hormonais e nos tecidos ocorrem no organismo feminino. Os efeitos são acentuados a partir da menopausa, causando, por exemplo, flacidez e ressecamento vaginal, com consequências físicas, estéticas e psicológicas. No Brasil já existem diversas tecnologias para corrigir problemas relacionados à saúde e bem-estar feminino e Natal é a única cidade do Nordeste a contar com uma tecnologia de última geração para rejuvenescimento íntimo que permitem remodelar a área genital de forma não invasiva, segura e indolor que alcançam resultados incríveis.

Entre esses métodos está o tratamento de radiofrequência íntima Enygma X-Orbital, que se destaca como a solução não-invasiva para problemas estéticos e fisiológicos que acometem as mulheres no envelhecimento. De acordo com Iaponira Vidal, Ginecologista, Endócrina e Climatério, o tratamento é um método excelente para combater e atenuar esses sintomas que também podem ser provocados por sedentarismo e maus hábitos, como tabagismo, partos, sobrepeso e má alimentação.

“A radiofrequência utiliza ondas eletromagnéticas, que estimulam a reorganização e formação de colágeno na região íntima por meio de aumento de temperatura ate 41ºC, estimulando a camada basal , ativando os fibroblastos, propiciando melhor oxigenação, nutrição dos tecidos, aumentando trofismo, recompondo e restabelecendo a função de transudamento da mucosa vaginal e restabelecendo o pH vaginal, que é a forma como temos nossa lubrificação fisiológica.”, explica a médica.

De acordo com ela, o tratamento pode ser feito em todas as idades, desde que com recomendação médica. As principais indicações são para pessoas que sofrem com secura vaginal, dispaurenia, irritação vaginal, falta de lubrificação, envelhecimento vulvar, relaxamento e frouxidão, e atrofia vaginal. Iaponira Vidal destaca a importância desta alternativa para pacientes que não querem usar hormônios ou possuem contraindicações de uso, mas que possuem vida sexual ativa. “Melhora a qualidade de vida da paciente do ponto de vista sexual e de infecções por monilia de repetição, além das perdas de urina leve pela melhora do trofismo vaginal e desenvolvimento do colágeno e da lubrificação”, avalia.

Ao comparar as vantagens da radiofrequência com o laser íntimo, a médica destaca que o processo é indolor, mais seguro e mais acessível economicamente, já com ótimos resultados na primeira sessão. A tecnologia é contraindicada para mulheres com febre (processos infecciosos), grávidas, que estejam em tratamento quimioterápico e que façam uso de implantes elétricos. “Ambos possuem as mesmas indicações e muitas vezes é uma questão de escolha, porém o laser ablativo é doloroso e com custo médio até 5x maior.

“A radiofrequência é indolor, não ablativo, com menor custo, e bem acessível,além de possuir i menos riscos de adversidades e efeitos colaterais durante e pós tratamento, principalmente para aquelas pacientes que possuem contraindicação para uso de hormônios.”, compara. O tratamento com a radiofrequência Enygma X-Orbital tem como diferencial proporcionar conforto para a paciente, sem a necessidade de usar anestésicos ou interromper atividades cotidianas. Também pode ser feito de forma preventiva e geralmente sem a necessidade de abstinência sexual.

Cada sessão dura em média de oito a 20 minutos, variando de acordo com a necessidade da paciente e recomendação do ginecologista. O intervalo entre as sessões é em média de 21 dias. Em Natal, o tratamento pode ser feito no Complexo Vânia Rocha que conta com diversos serviços e tratamentos com as melhores tecnologias para Saúde e Bem Estar, tanto da face, corpo e da saúde íntima, com profissionais preparados e qualificados. A avaliação é gratuita, basta entrar em contato através do telefone (84) 99998-6884.
A+ A-