Tatty Lacerda, uma baianinha que canta e encanta na MPB

Nicolau Frederico,

Seu nome é Tatiane Lacerda Santana e nas redes sociais se apresenta como Tatty Lacerda. É baiana, natural da cidade de Barreiras, tem 32 anos e se diz apaixonada pela música.

Descobri esta baianinha em minhas navegações pelas mídias e redes sociais, um de meus principais hobbies, depois de leituras, fotografia e ouvir músicas de qualidade em meus bolachões, CDs e Spotify.

De imediato, ouvi com atenção suas gravações e sua voz me chamou atenção pela afinidade, entonação e domínio da melodia. Repassei para o mestre Roberto Menescal que conferiu a mesma conclusão minha: “Ela é ótima!” Também encaminhei para o amigo e expert potiguar, o empresário e produtor musical João Santana (o Joãozinho), que me perguntou: “Amigo, de onde é esta menina? Você a conhece?”.

Assim, não tive dúvidas. Entrei em contato com Tatty Lacerda que, gentilmente concedeu esta entrevista exclusiva ao Espaço MPB neste portal potiguar Nominuto.com  

1. Tatty, é uma grande satisfação conhecê-la e abrir este Espaço MPB para sua carreira. Agradeço sua gentileza e gostaria de saber como e quando você começou sua vida artística pessoal na música? Houve alguma influência de alguém da família ou de amigos?

Eu cresci ouvindo meu pai (in memoriam) tocando violão e minha mãe cantando nas horas vagas, em casa. Nada profissional. Então o gosto pela música vem de berço.

2. Qual foi sua primeira música que lhe encantou e que você soltou a voz!

Sampa de Caetano Veloso. Recordo que na minha adolescência meu irmão tocava violão e eu o acompanhava cantando Sampa. Nos versos finais que diz “Panaméricas de Áfricas utópicas, túmulo do samba mais possível, novo quilombo de Zumbi” me faltava fôlego (rsrs), mas eu gostava tanto e insistia. Essa foi realmente uma das canções que me encantou e me fez soltar a voz.

3. Parece-me que você recebeu algum treinamento para sua voz ser tão bem postada e posicionada nas canções que você canta. Há uma leve empostação e adequação nas melodias! Não é isso mesmo?

Não. Nunca tive aula de canto ou algo parecido. Meu contato com música foi somente em casa. Acredito que essa empostação ao qual se refere se deve ao fato de tanto ouvir música.

E quanto à interpretação eu procuro entender o que o compositor quis expressar, daí vem as minhas caras e bocas e entonação da voz.

4. Há quanto tempo você canta! Compõe e toca algum instrumento musical?

Eu canto desde criança. Comecei no coral da igreja católica e ainda hoje continuo. Faço parte também da Roda dos Amantes do Samba aqui na cidade. Essa Roda é um evento promovido pelo Instituto de Arte e Cultura que tem por objetivo fortalecer o samba na região e contribuir com projetos sociais.

Não componho e nem toco nenhum instrumento. Até o momento não. Meu irmão me presenteou com um ukulelê que ele mesmo fez. Sempre que possível assisto a vídeo-aulas e arrisco alguns acordes, mas ainda não aprendi tocar. Me falta um pouquinho de paciência e perseverança. (rsrs) Um dia eu chego lá.. Assim espero..

5. Participa de festivais musicais, de tournées aqui no Brasil ou no estrangeiro? Gostaria de participar?

Participei de dois grandes festivais de música aqui na Bahia. O primeiro em Bom Jesus da Lapa e o segundo em Ibotirama. Nesses dois festivais defendi as músicas do meu amigo poeta Clerbet Luiz. No primeiro não fui classificada. Já no segundo, alcancei a 4ª premiação na companhia de dois grandes artistas aqui da minha cidade: Ramon Arievilo e Bella Cruz. Já recebi convites para festivais futuros e pretendo participar.

6. Tem algum long-play, CD ou « streaming » gravado! Algum contrato firmado? Já foi procurada ou teve alguma proposta neste sentido.

Tive a honra de participar de um cd regional, composições do amigo poeta que citei acima. Sobre contratos e propostas nada firmado no momento.

7. Tem preferência por alguma modalidade de música ou por algum compositor(a) ou cantor(a)?

A MPB me encanta. Dentro da MPB eu diria que as duas modalidades que mais me fascina é a bossa e o samba. Ouço muito Caetano, Bethânia, Beth Carvalho,  Tom Jobim, João Gilberto, Elis Regina, Chico Buarque e muitos outros grandes da MPB.

8. Fale um pouco sobre seus projetos para o ano que se inicia?

Nunca pretendi cantar profissionalmente, Nicolau. Sempre pensei na música como uma diversão, distração, sabe!?

Minha família e meus amigos sempre me deram o maior incentivo. Confesso que nunca dei crédito para os elogios recebidos, pois me enxergo de uma forma diferente. Percebo sim que sou afinada, mas não me vejo da forma que eles me enxergam. Então acho que é esse o motivo de não ter tido o interesse de ingressar na música de forma profissional.

Esse ano eu pretendo deixar rolar. Se caso surgir algo que me leve a crescer na música, eu estou aqui. Vou me deixar guiar pelo que vier de bom da música. Esse é o meu plano para 2020.

Agradeço a oportunidade de poder contar um pouquinho da minha história aqui no ESPAÇO MPB e aproveito para desejar um bom início de ano a toda equipe do portal NOMINUTO.COM e todos os internautas que acompanham esse jornal virtual. Um abraço.

Esta é a nossa baianinha que descobri na Web. Um carvãozinho que esconde uma preciosidade em nossa MPB. Disso não tenho dúvidas! Confira você mesmo neste seu vídeo. Clique aqui e constate! 

Com informações e fotos cedidas por Tatty Lacerda
A+ A-