Sociedade na Costeira

Leonardo Souza,

Finalmente uma alternativa de lazer acessível e um programa para a família inteira, reunindo segurança e estrutura para todo norteriograndense - do mais sofisticado ao mais humilde. 

Só que não.

Elogiável a ideia de transformar uma via estadual em anexo de lazer para a sociedade do plano Palumbo. Local esse, que poderia muito bem ser substituído pela conclusão das obras na Cidade da Criança, mas que não é de todo ruim por ser atualmente a via costeira. Que seja.

O que se questiona é uma alternativa social para o estado. Social, não de coluna social, como o público das tardes de domingo da via costeira estão habituados. Social, é uma alternativa de desenvolvimento, como os programas que dão empregabilidade, renda e retira o ócio funcional que muitos potiguares estão submetidos.

E coincidentemente ao descaso das políticas públicas (para os potiguares que não frequentam a via costeira), se consolida a degradação das drogas no interior do estado.

O tal do crack, esse sim, vem crescendo e cada vez mais forte nos municípios do RN e inevitavelmente, aumenta também os índices de violência. Não sei se alguém não percebeu, mas essas coisas estão intimamente ligadas. 

Mas… enquanto ninguém olha para essa questão e põe em prática uma política pública social eficiente, com desenvolvimento  …as pessoas vão brincando de colocar o tênis novo - do mais caro no mercado se possível, para aos domingos ir brincar em um espaço com segurança limitada, sim, pois caso algum frequentador ultrapasse a barreira sinalizada na parte interditada da via costeira, provavelmente irá terminar nas estatísticas dos assaltos do nosso estado.


A+ A-