O intenso treino coletivo do ABC antes do embarque para Aracaju

Edmo Sinedino,

Consegui autorização para ver o treino do ABC. Não estava proibido, mas só tinha eu da imprensa na tarde desta quinta-feira, trabalho tático e coletivo de apronto para a estreia da equipe na Série D do Brasileiro, domingo, em Itabaiana.

O treinador Francisco Diá definiu as duas equipes. Um treino intenso, de muita passagem, toque de bola, triangulações, recomeços  e velocidade, muitas vezes o time azul, considerado o titular, chegando ao ataque com cinco e até seis jogadores. Recomposição também de acordo.

Se não for atrapalhado pelo gramado, ou gramados da Série D, se os campos de jogo oferecerem condições de toque de bola, o alvinegro potiguar vai se sair muito bem, não tenho dúvida. O treinamento também teve a participação muito efetiva do treinador Francisco Diá, que parou e reiniciou as jogadas várias e várias vezes, aliás, como tem que ser.

Pude observar, não vou revelar titulares, sou repórter, mas tenho palavra e não vou trabalhar contra o time de meu Estado. Gostei dos contratados. O bom ala Dieyson, com muita rapidez nas passagens e um entendimento imediato com o restante dos companheiros. Participou de muitas jogadas agudas.

Os volantes Souza Tibiri e Fabrício Bigode, os dois são bons jogadores, mas eu gostei mais do Bigode, que, para minha surpresa, pois estava há quatro meses parado, jogou muito e tem uma ótima bola parada. O Tibiri é mais preso, mas tem um ótimo passe e não deixa cair o ritmo.

Outra boa surpresa no treino foi o meia Lelê. Fiquei admirado como ele rendeu bem fazendo uma função "por dentro", rodando, trocando de posição e chegando na frente, inclusive marcando mais de um gol no coletivo e parecendo ser veterano no grupo.

Dos atletas já conhecidos, o destaque maior foi o Berguinho. Como joga esse rapaz. Se quisesse, se dedicasse como deve fazer todo atleta de alto rendimento, certamente ganharia muito dinheiro com o futebol. Valderrama, Vinícius Leandro, Pedro Costa, Bruno Souza e Richardson sempre muito bem. 

O goleiro Rafael dando show jogando com os pés, um quesito que ele cresceu muito trabalhando com o preparador Walter Lucena. E gostei também do goleiro Passarelli. Um ABC bem melhor que aquele que enfrentou o América na decisão do segundo turno.

O Kesley foi elogiado pelos presentes, mas o atacante não me agradou. Felipe Alves, atleta de grande potencial, não sei, parece que joga machucado, não rende. Esperava mais do meia Pedrinho e o atacante Iago também deixou a desejar, apesar de ter um comportamento muito elogiado por toda a comissão.

 Me chamou muito a atenção a qualidade do meia-atacante Allisson, joga muita bola esse garoto. O treinador Diá o descobriu e o tem colocado em campo, não à toa já surgem equipes de grande porte de olho. João Paulo e Wallyson, em tratamento, não treinaram.

Jordan no Ceará

Quem apareceu depois do treino todo serelepe foi o atacante Jordan. Outro que era reserva no juvenil e Diá trouxe para trabalhar entre os titulares. O ABC negociou seus direitos federativos com um empresário que colocou o atleta no Ceará Sporting e ele já deve fazer parte do grupo que enfrenta o Flamengo, na largada da Copa do Brasil Sub 20.


Tags: abc coletivo dia intensidade passagem rapidez
A+ A-