Governo torna-se réu confesso quando um ministro diz que o "O2" foi o responsável pela eleição do pai

Carlos Alberto,

O que quis dizer o ministro das Comunicações, Fábio Faria, ao discursar num evento público no Piauí, que o vereador Carlos Bolsonaro, o "02", foi o responsável pela eleição do pai? E que ele tinha que ir pra Brasília ficar ao lado do presidente Jair Bolsonaro, mesmo sendo vereador no Rio de Janeiro.

Será que tem a ver com o fato do presidente querer publicar um decreto proibindo redes sociais de apagarem posts com fake News ou discursos de ódio?

Todos sabem que Carlos Bolsonaro é quem comanda as redes sociais do pai presidente. Essa insinuação e esse apelo do ministro das Comunicações foi sintomático, objeto, inclusive, do meu comentário no BB News TV no blogdobarbosa e no Canal Youtube. Clique aqui para conferir.

A título de esclarecimento, o governo Jair Bolsonaro prepara um decreto com o objetivo de proibir que sites e redes sociais apaguem publicações ou suspendam usuários de suas plataformas. A Secretaria de Cultura elaborou o texto nas últimas semanas e a Advocacia-Geral da União deu parecer favorável. Se for aprovado, o decreto pode ter como consequência o aumento da propagação de informações falsas. Nos últimos meses, o Google e o Facebook retiraram publicações e vídeos de Bolsonaro sob o argumento de que espalhavam mentiras. O projeto foi encaminhado ao Palácio do Planalto na última semana.

O decreto prevê que os provedores de serviço só poderão agir por determinação judicial ou para suspender perfis falsos, automatizados ou inadimplentes. De acordo com informações do jornal O Globo, o bloqueio de conteúdos sem decisão judicial só poderá ocorrer em casos específicos, como apologia ao crime, nudez, violação ao Estatuto da Criança e do Adolescente, apoio a organizações criminosas ou a terroristas, e incitação de atos de ameaça ou violência. 

A proposta do governo, no entanto, “subverte” o Marco Civil da internet. 
Além disso, instituiria um órgão público que vai dizer como as plataformas vão aplicar medidas de moderação na internet, o que é um absurdo.

Imaginemos se esse decreto for aprovado, as eleições de 2022 estarão totalmente comprometidas pelos números de fake news que irão às redes sociais tentando direcionar o voto como ocorreu na eleição passada para à Presidência da República e o resultado todos sabemos.

Em tempo: clique aqui para ver o vídeo da fala do ministro Fábio Faria


A+ A-