Cloroquina pra quem tem transtorno pisicótico

Carlos Alberto,

 "Cloroquina, cloroquina, cloroquina lá do SUS, eu sei que tu me salvas em nome de Jesus", cantaram os apoiadores do Messias que levam o ódio no coração e sofrem de transtorno psicótico. Bolsonaro, não esqueçamos, é defensor intransigente do uso da cloroquina pra combater o coronavírus.

Assim, como Bolsonaro, seu discípulo, Trump insiste em fazer publicidade de um remédio específico como a cura para o Covid-19, embora médicos e pesquisadores tenham dúvidas sobre a utilidade do remédio ou seus efeitos colaterais em pacientes da doença.

Aliás, o jornal americano The New York Times investiga relações de Trump com laboratórios de cloroquina. Se a hidroxicloroquina se tornar um tratamento aceito, várias empresas farmacêuticas terão lucro, incluindo acionistas e executivos seniores com conexões com o presidente americano. O próprio Trump tem interesse financeiro pessoal na Sanofi, a farmacêutica francesa que fabrica o remédio.

Aqui no Brasil os fanáticos seguidores de Jair Messias Bolsonaro agora também levantam a bandeira da cloroquina e quem é contra é comunista. Dois ministros da Saúde já caíram fora do governo por discordar do Messias - Luis Henrique Mandetta e Nelson Teich - enquanto o país vê o número de vítimas da Covid-19 aumentar diariamente.

Nos bastidores, porém, auxiliares do presidente admitem que a ideia é que o general Pazuello, que ocupa interinamente a pasta da Saúde, assine a mudança no protocolo da cloroquina - como quer Bolsonaro - pois o governo tem sido alertado de que nenhum médico de renome concordará com a ideia.

É como bem disse a governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra, na sua conta pessoal no twitter: "a saída de dois ministros da saúde em menos de um mês e, o mais grave, em plena pandemia, nos deixa estarrecidos e preocupados com o futuro do nosso país. O que está acontecendo no Brasil não se vê em lugar nenhum do mundo: um governo mergulhado em uma crise política e que deixa em segundo plano, o que deveria ser seu principal dever no momento: o cuidado e a proteção com a saúde das pessoas".

Repito o que já dissera em artigo aqui na coluna:neste momento se faz necessário, mais do que nunca, alertar a população da importância da mudança comportamental ficando em casa e saindo a rua em caso de extrema necessidade. Percebe-se claramente que nos últimos dias houve um relaxamento no isolamento. Não é hora pra isso. Desacreditar os estudos realizados por especialistas é um desserviço à sociedade, como alguns vêm fazendo e até “jornalistas” que têm o papel fundamental, neste momento, de esclarecer a população sobre os perigos desse vírus que tem levado milhares a morte em todo o mundo.

Fingir que está tudo sob controle e debochar de estudos sérios com base científica, quando se percebe que o número de casos confirmados da Covid-19 aumenta em todo o país e, claro, também no Rio Grande do Norte, só faz sustentar o argumento de que a doença não passa de “uma gripezinha”, enquanto o coronavírus se alastra por todo o planeta.

Deixem os que sofrem de transtorno psicótico defenderem a cloraquina como prega o Messias deles. Hoje o remédio mais eficaz para evitar a contaminação é o isolamento social. Aliás, evitar a contaminação do coronavírus e dos que sofrem de transtorno psicótico, a bem da verdade.

Acesse o blogdobarbosa, 12 anos no ar sempre em defesa da democracia e da liberdade de expressão, clicando no link http://www.blogdobarbosa.jor.br

A+ A-