TCE deve receber dados do Consórcio Nordeste nesta segunda-feira

Diógenes Dantas,
Arquivo/AFD
Compra fraudada de 300 respiradores pulmonares virou caso de polícia e compromete futuro do Consórcio Nordeste.

Encerra hoje (22) o prazo estabelecido pelo conselheiro Gilberto Jales (TCE) para que o governo encaminhe todas as informações relacionadas ao Consórcio Nordeste.

A solicitação do Tribunal de Contas do Estado tem tudo a ver com a compra fraudada de respiradores pulmonares via consórcio, que provocou um rombo de quase R$ 50 milhões nos cofres dos 9 estados nordestinos. No que diz respeito ao RN, o prejuízo beirou R$ 5 milhões.

A Procuradoria Geral do Estado (PGE) ficou encarregada de encaminhar  ao conselheiro.

Ao longo das últimas três semanas, o portal nominuto.com tentou jogar luz nos números do RN desde a criação do consórcio em julho do ano passado.

Conforme noticiamos nesse quase um ano de participação do RN na autarquia, foram realizadas várias compras de insumos para o setor da saúde, com destaque para os medicamentos que abastecem a UNICAT [Unidade Central de Agentes Terapêuticos] e os hospitais da rede pública.

Houve economia de pelo menos 30% nos preços médios do mercado, conforme alardeou o governo nas primeiras compras.

No momento que o Consórcio Nordeste passa por uma crise de confiabilidade [MPF, TCEs, comissões em ALs, ameaças de CPIs, recomendações para que cessem as operações dos estados via consórcio], o portal nominuto.com desejava separar o episódio dos respiradores - uma compra emergencial - dos benefícios em torno do consórcio, tido como bom instrumento de gestão, por quem o defende.

Neste episódio, o do Consórcio Nordeste, o governo estadual levou nota ZERO de transparência. ZERO.

A imprensa não conseguiu ter acesso às informações, e permaneceu enredada num jogo de empurra entre as assessorias de imprensa do governo e do consórcio, do silêncio da PGE e da promessa não cumprida pelo ex-deputado e secretário de gestão do governo, Fernando Mineiro, que ficou de encaminhar as informações na sexta-feira (19).

Infelizmente, nós ficamos sem as informações sobre as ações e operações de compra do RN via Consórcio Nordeste.

Agora, cabe ao TCE dar publicidade aos dados após a análise dos técnicos da corte e apreciação do conselheiro Gilberto Jales. O processo pode levar mais algumas semanas, mas creio que a opinião pública terá acesso às informações.

Por enquanto, vale a máxima do embaixador Rubens Ricupero, ex-ministro da Fazenda:

"Eu não tenho escrúpulos; o que é bom a gente fatura, o que é ruim a gente esconde”.


Confira o vídeo:


DD.

Tags: Consórcio Nordeste PGE TCE
A+ A-