RN pode economizar R$ 9 bilhões se aderir a nova Previdência

Airton Bulhões,

    Uma coalização que reúne mais de 80 instituições que trabalha a favor da reforma previdenciária a Rede Apoie a Reforma está chamando a atenção dos governadores que insistem em ficar de fora da Reforma da Previdência.  A Rede Apoie a Reforma tem nos seus quadros organizações como CLP – Liderança entre outros.

   Rio Grande do Norte, Alagoas, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul e Sergipe têm projeções catastróficas em suas finanças caso não quebrem lança para se inserir na reforma da Previdência.

  O resultado dos regimes próprios estaduais passou de um déficit de R$ 60 bilhões em 2015 para mais de R$ 128 bilhões em 2018, respondendo por mais de 60% do déficit de todos os regimes  

  No do Rio Grande do Norte segundo dados da Rede Apoie Reforma, o déficit da Previdência é R$ 1,7 bilhão entre 2016 e 2017, o que corresponde a 18,9% das Receitas Correntes Líquidas da Unidade da Federação.

  Com um benefício médio acima de R$ 4.700 mensais, os servidores inativos do Estado recebem cerca de 4% a mais do que os ativos, o que leva uma piora considerável do gasto com pessoal. Principalmente porque, atualmente, o RN gasta cerca de 72% das receitas correntes líquidas com o pagamento da folha.

  Tendo em vista a idade média de 47 anos, analisada em 2017, dos servidores ativos, nos próximos anos, um percentual considerável destes irá se aposentar e pressionar ainda mais os gastos públicos. No entanto, com a inclusão dos Estados e Municípios na Reforma, estima-se que nesse período a economia do Governo Estadual do Rio Grande do Norte seja de R$ 9 bilhões, um montante absolutamente necessário para a manutenção da máquina pública.

  A rede Apoie a Reforma tem como objetivo uma reforma da Previdência que torne o Brasil mais justo, sustentável e com geração de emprego.

  “Trabalhamos com uma frente de mobilização, comunicação e ação com parlamentares. Queremos impulsionar a mobilização da sociedade e dos parlamentares por meio de mudanças no atual sistema previdenciário no país”, sustenta os organizadores da Rede Apoie a Reforma.

  O posicionamento da rede é que estados e municípios devem ser incluídos na reforma da Previdência. A situação fiscal tanto de estados quanto de municípios (em especial, os de grande porte) é bem frágil.

   Atualmente somente quatro estados da União apresentam superávit em seus regimes previdenciários: Amapá, Rondônia, Roraima e Tocantins. Sem reformas estruturais no gasto com pessoal, estados e municípios terão cada vez mais dificuldade em fornecer serviços básicos para a população, além de enfrentarem dificuldades para pagar aposentadorias, pensões e outros benefícios para o funcionalismo.

  A Rede Apoie colocou um time de profissionais  para esclarecer possíveis dúvidas formado por Luana Tavares, diretora executiva da CLP; Ana Marina de Castro, responsável pela articulação da Rede Apoie a Reforma e Ana Maria de Castro Daniel Duque  coordenador da pesquisa e dados da Rede Apoie.

MAIS INFORMAÇÕES

Laís Cavassana
(11) 2391-5005 / (11) 97677-2967
[email protected]

Thais Segalla
(11) 2391-5005
[email protected]


Tags: Previdência
A+ A-