Pesquisa mostra que turismo doméstico tem recuperação gradual

Airton Bulhões,

 Depois que os voos em geral foram suspensos e os viajantes ficaram em casa em 2020, o retorno às viagens se tornou uma das atividades mais esperadas - e incertas - de 2021.

  Apesar das viagens aéreas continuarem significativamente reduzidas em todo o planeta, alguns países já apresentam resultados como indica o relatório "Recovery Insights: Ready for Takeoff?", realizado pelo Mastercard Economics Institute.

  No Brasil, por exemplo, a quantidade de voos domésticos reservados em maio já demonstra uma recuperação, com 64% do total registrado no último trimestre de 2019 - de acordo com a análise, um quinto dos países retornou a pelo menos 90% dos níveis pré-pandêmicos em relação aos voos domésticos.

  Atualmente no Brasil as viagens realizadas por motivos de trabalho/corporativos já chegaram a quase metade (45%) dos níveis pré-pandemia, enquanto as por lazer ou outras razões ainda estão em um terço (33%).

   Situação bem diferente dos Estados Unidos, onde embora ainda haja espaço para recuperação dos voos corporativos (que chegaram a 64% dos níveis pré-pandemia), a quantidade de viagens de lazer já é 18% maior do que os níveis registrados no último trimestre de 2019.

  O consumo de combustível também aumentou globalmente 13% em relação ao pico anterior em 2019. Atualmente, no Brasil, os gastos com gasolina são 31% maiores do que eram no último trimestre de 2019, indicando um maior número de viagens terrestres.

SAIBA MAIS

  Nos  EUA (onde os níveis já são 3% maiores do que eram antes da pandemia), Austrália e França - estão excedendo as reservas de voos domésticos pré-pandêmicos, outros - como Canadá, Tailândia e Nova Zelândia - mostram apenas uma fração de onde estavam antes do início da pandemia.

bhztiBr.jpg
A+ A-