Custo da campanha trava renovação nas bancadas

Alexandre Cavalcanti,

Tá na boca do povo: "sem cacau, não tem chocolate". O comentário bem humorado mostra que o eleitorado não leva à sério os depósitos oficiais nas contas de campanha dos candidatos a deputado estadual(até 1 milhão de reais) e federal(2 milhões e 500 mil reais). Em tese, os candidatos teriam que comprovar gastos menores ou iguais a esses valores.

Para a maioria das pessoas entrevistadas pela coluna "Pinga Fogo", o Caixa 2, - criminalizado pela Operação Lava -, continua funcionando a todo vapor. Há um cálculo, não muito exato, que o voto para federal custa em média 100 reais. Os votos espontâneos, algo em torno de 10 a 15%, devem ser levados em conta. Uma eleição para deputado federal, a depender do candidato, ficaria, então, entre 6 e 8 milhões de reais.

Para deputado estadual, os valores caem para perto de 3 milhões de reais, especialmente, para quem já tem mandato e presta serviços no dia a dia. Os novos, gastam bem mais: sem redutos e sem serviços prestados, esses valores a chegam a ser dobrados.

Apesar dos preços elevados, a Assembléia Legislativa do Rio Grande do Norte deve experimentar uma renovação em sua composição de pelo menos 30%. Na Câmara Federal, a renovação fica por conta de dois nomes: Benes Leocádio, do PTC, e Mineiro (PT).

Tags: Bancada Custo Renovação
A+ A-