Ezequiel Ferreira decide por Fátima Bezerra

Alexandre Cavalcanti,

Não há mais dúvidas. O deputado Ezequiel Ferreira de Souza (PSDB), presidente da Assembléia Legislativa, está fechado com a candidatura da senadora Fátima Bezerra (PT) ao governo do Estado.

Assim como no primeiro turno, quando não interferiu na decisão dos deputados tucanos, - Tomba Faria, Raimundo Fernandes, Larissa Rosado, Márcia Maia e Gustavo Fernandes -, que preferiram apoiar Carlos Eduardo (PDT), Ezequiel espera, também, ter sua posição respeitada.

Há, ainda, informações de que o deputado federal eleito, Benes Leocádio (PTC), e os estaduais eleitos, Eudiane Macedo (PTC) e Ubaldo (PTC), devem acompanhar Ezequiel.


Vereadores de São Gonçalo vão de Carlos Eduardo

Alexandre Cavalcanti,
Cedidas
Os vereadores se juntam a outras forças que já votaram em Carlos Eduardo, no primeiro turno, a exemplo do advogado Poti Neto.

Oito dos 17 vereadores de São Gonçalo deixaram, há pouco, o diretório do PDT e anunciaram apoio à candidatura de Carlos Eduardo ao governo do Estado. Pastor Edmilson, Jailson Tavares, Gerson Bezerra, Pablo Rodrigues, Thiago Soares, Tarcísio Fernandes e o presidente da Câmara, Raimundo Mendes, estão na foto com Carlos Eduardo.

O futuro presidente da Câmara, já eleito, vereador Edson Valban, não esteve presente, mas telefonou na hora do encontro e garantiu seu apoio. Os vereadores se juntam a outras forças que já votaram em Carlos Eduardo, no primeiro turno, a exemplo do advogado Poti Neto.

O grupo do prefeito Paulo Emídio (PR), do ex-prefeito Jaime Calado (PMB), da senadora eleita Zenaide Maia Calado e do deputado João Maia (PR) ficam todo com Fátima Bezerra (PT).



Carlos Eduardo e Ezequiel vão conversar novamente

Alexandre Cavalcanti,

Uma nova rodada de conversa deve definir a posição do deputado Ezequiel Ferreira de Souza (PSDB, presidente da Assembléia Legislativa, no segundo turno da eleição para governador do Estado. A maioria dos tucanos defendem Ezequiel com Carlos Eduardo (PDT). 

As última informações, entretanto, davam conta de um possível apoio de Ezequiel a candidata Fátima Bezerra (PT). O encontro de Carlos Eduardo com Ezequiel Ferreira está programado para ainda hoje.

A exceção de Ezequiel, os demais tucanos eleitos estão com Carlos Eduardo, - Tomba Faria, Raimundo Fernandes, Gustavo Carvalho e José Dias.


Vereadores de São Gonçalo vão apoiar Carlos Eduardo

Alexandre Cavalcanti,

O prefeito Paulo Emídio (PR), o Paulinho da Habitação de São Gonçalo do Amarante, enfrenta agora a maior rebelião política na Câmara Municipal. Oito vereadores governistas, de uma bancada de 10, podem anunciar, ainda hoje, apoio ao candidato Carlos Eduardo (PDT).

Já recuperado da derrota de sua mulher, Terezinha Maia (PR), para deputado estadual, - um resultado debitado na conta dos seus principais aliados, Jaime, Zenaide e João Maia -, Paulo Emídio vai de Fátima Bezerra (PT).

-Essa eleição já passou. Não tem mais como mudar o resultado do primeiro turno. Paulinho agora só pensa em sua reeleição e terá que fazer um esforço grande para ser aceito internamente como candidato", disse um vereador governista.



Ezequiel Ferreira (PSDB) decide apoiar Fátima Bezerra (PT)

Alexandre Cavalcanti,

O deputado Ezequiel Ferreira de Souza (PSDB), presidente da Assembléia Legislativa, vai de Fátima Bezerra (PT), agora, no segundo turno. No primeiro, Ezequiel, e mais os deputados tucanos Gustavo Carvalho e José Dias, todos reeleitos, votaram em Robinson Faria (PSD).

A decisão de Ezequiel é individual e não atende a nenhuma orientação partidária. Gustavo Carvalho já anunciou apoio a Carlos Eduardo(PDT), onde já estão outros tucanos, também, reeleitos: Tomba Faria e Raimundo Fernandes. A expectativa agora é quanto a posição do deputado José Dias.

O anúncio da posição do presidente Ezequiel Ferreira está sendo aguardada para as próximas horas, podendo acontecer, ainda, hoje.


Liderança de Lula está reduzida ao PT

Alexandre Cavalcanti,

O PT joga a toalha na corrida presidencial e corre atrás de Ciro Gomes (PDT) que saiu na frente como líder da Oposição, no governo de Jair Bolsonaro (PSL). Tanto é assim que, o líder da minoria na Câmara, José Guimarães (PT), já anunciou o rompimento com o PDT, de Ciro e Cid Gomes.

Devastado nas urnas, o PT tenta, a todo custo,  reunir o que sobrou do Partidos dos Trabalhadores e da esquerda radical sob o guarda-chuva de Lula. O PT teme que Lula, preso em Curitiba, não lidere mais nada, além do PT.



Cid Gomes: "Lula tá preso, babaca"

Alexandre Cavalcanti,

- Aí dentro". Ciro Gomes (PDT) revelou, antes do esperado, o seu verdadeiro projeto político: assumir a liderança da Oposição. A fragilidade do PSDB, já no primeiro turno, e a rejeição ao PT, principalmente, agora, no segundo turno, abrem importantes espaços para um novo projeto oposicionista.

E Ciro  não tem nada de burro. Seu irmão, o senador eleito Cid Gomes (CE), deu o recado: "Lula tá preso, babaca", disse o Cid, em uma solenidade, onde anunciaria seu apoio ao candidato petista, Fernando Haddad.


PR decide ficar com Fátima Bezerra (PT)

Alexandre Cavalcanti,

Mesmo constrangido diante da posição de seu presidente, o deputado federal eleito João Maia, contra o PT e Fátima Bezerra, o PR vai mesmo apoiar a candidatura da petista, neste segundo turno. A possibilidade de João apoiar Carlos Eduardo  chegou a ser cogitada, nas não agradou aos aliados do candidato do PDT.

A decisão da coligação de Carlos Eduardo, em não aceitar o PR, não tem nenhuma ligação com o possível envolvimento de João Maia em escândalos no Ministério dos Transportes. As dificuldades são bem maiores: o PR, em nível nacional, não é aceito pelo presidenciável Jair Bolsonaro.

A principal estrela do partido, Waldemar da Costa Neto, é um velho conhecido do juiz Sérgio Moro, especialmente, pelo seu envolvimento nos escândalos do Mensalão e Lava Jato.



Apoio do PR pode criar dificuldades

Alexandre Cavalcanti,

Dividido, o Partido da República (PR), do deputado eleito João Maia, não tem como marcar duplo neste segundo turno. O único deputado estadual do PR, George Soares, já está fechado com a candidatura de Fátima Bezerra (PT), desde o primeiro turno, com o compromisso de ser o próximo presidente da Assembléia.

O deputado João Maia, presidente do PR, irmão da senadora eleita, Zenaide Maia Calado (PHS), apoiou Robinson Faria (PSD), no primeiro turno. Agora, a tendência seria apoiar Carlos Eduardo (PDT). Sua presença, entretanto, gera desconfiança entre os aliados do candidato.

Como aconteceu em outras eleições, a suspeita é de que marcando duplo, João não faria nenhum esforço para ganhar a eleição e só chegaria no momento da posse. Ou seja, "tanto faz dá na cabeça, quanto na cabeça dá" - Carlos Eduardo ou Fátima Bezerra.

O PR também é visto como o partido de Waldemar da Costa Neto, implicado nos escândalos do Mensalão e Lava Jato, o que poderia afastar o general Girão (PSL), representante do capitão Bolsonaro, no Rio Grande do Norte, já perfeitamente integrado a campanha do PDT.


Prefeitos do Seridó e Agreste anunciam apoio a Carlos Eduardo

Alexandre Cavalcanti,

O candidato Carlos Eduardo, do PDT, recebeu hoje, segunda-feira, 15/10, o apoio de dois prefeitos, - um do Agreste e outro do Seridó.

Fernando Teixeira (PSDB) é prefeito de Espírito Santo, na Região Agreste. No primeiro turno, votou no candidato Robinson Faria (PSD).

Hudson Pereira(PSD) é prefeito de Santana do Seridó e, no primeiro turno votou, também, pela reeleição do governador Robinson Faria.



Disputa por cargos abre crise na campanha de Fátima

Alexandre Cavalcanti,

A disputa por cargos, em um possível governo Fátima Bezerra, abre crise na campanha do PT. A senadora eleita, Zenaide Maia Calado (PHS), já apresentou suas demandas políticas e reivindica duas secretarias de Estado, - a de Infraestrutura, para seu marido, ex-prefeito Jaime Calado (PMB) -, e mais um outra.

A candidata, entretanto, já avisou que não admite conversar sobre formatação do governo antes das eleições em segundo turno. Fátima foi curta e grossa: " as discussões sobre espaços para aliados somente a partir do dia 29".

Na verdade, há uma certa ciumeira. Os aliados de primeira hora, PCdoB e PHS, temem perder espaços para os "cristãos novos", representados pelo PSB dos deputados Ricardo e Rafael Motta, e, ainda, para grupos ligados ao governador Robinson Faria, do PSD.

Em Mossoró, por exemplo, os empresários Tião do Couto, candidato a vice na chapa de Robinson, e Jorge do Rosário, candidato derrotado a deputado estadual, já anunciaram apoio a candidata Fátima Bezerra.


Políticos querem trocar apoio por vaga na Assembleia Legislativa

Alexandre Cavalcanti,

A voz das urnas não deixou nenhuma dúvida, já no primeiro turno. Expressiva maioria da população mostrou sua posição contrária, especialmente, aos acordos espúrios, armados na calada da noite, longe dos olhos e dos ouvidos do eleitor.

Mas, mesmo assim, ainda, tem gente que parece não ter ouvido a mensagem, - emitida em alto e bom som. Começam a surgir informações, segundo as quais, há uma grande movimentação para eleger deputados em um hipotético terceiro turno: na montagem do futuro governo.

A tese consiste em apoio de lideranças a determinado candidato a governador diante do compromisso de fazer suplente virar deputado. Ou seja, o governador convocaria deputados eleitos para o seu secretariado, abrindo vaga para que suplentes assumam suas cadeiras na Assembléia.

Essa prática não é nenhuma novidade. Faz parte da velha política que desejamos sepultar. 


Agripino acreditou no trabalho(veneno)

Alexandre Cavalcanti,

Claro, depois de anunciado o resultado, aparecem especialistas, analistas, comentaristas e estrategistas, para explicar o que realmente aconteceu. E eu não vou ficar fora dessa discussão: o senador José Agripino(DEM) perdeu a eleição para deputado federal por confiar no veneno.

Não será fácil absorver essa derrota. Juntando os dois gabinetes, - o dele próprio e o de Felipe Maia, seu filho, deputado federal -, foram distribuídos entre as prefeituras do Rio Grande do Norte mais de 150 milhões de reais, nos últimos quatro anos, em emendas impositivas do Orçamento Geral da União.

Os prefeitos beneficiados não traíram Agripino. Até que votaram, mesmo que aqui e acolá tenha aparecido um ou outro mal agradecido. O xis da questão está nos vereadores. Esses, que não receberam emendas, queriam, também, uma laminha.

E aí aconteceu o erro de José Agripino. Erro? Acreditando no veneno, imaginando já ter feito tudo o que estava a seu alcance pelos municípios, - distribuindo recursos das emendas do OGU -, Agripino não entrou no toma lá dá cá da política varejista dos vereadores. Resultado: o voto não saiu. Saiu, mas bem abaixo do esperado.

A estrutura política do senador José Agripino indicava que ele teria entre 140 e 160 mil votos. E não era para menos. Só um doido poderia apostar numa derrota de JA. Terminou com 64 mil, valorizando, ainda, mais a máxima: "eleição é eleição, só acaba quando termina". Acabei de criar.



Grupo de Robinson em Mossoró apóia Fátima

Alexandre Cavalcanti,

A turma do governador Robinson Faria (PSD), em Mossoró, - Tião do Couto, candidato a vice, e Jorge do Rosário, candidato a deputado estadual -, faz um movimento tímido em direção ao PT da senadora Fátima Bezerra, candidato ao governo do Estado. Deu no blog de Carlos Santos.

Nesse momento, todo cuidado é pouco. O baixo desempenho eleitoral de Robinson Faria, em Mossoró, - um quarto lugar, abaixo de Breno Queiroga -, não credencia ninguém a sair declarando.

Tião do Couto e Jorge de Rosário, em 2016, perderam para Rosalba no pleito municipal. Agora, a expectativa era de que a dupla fosse bem sucedida, especialmente, tendo em vista a aproximação do pleito de 2020, quando pretendem enfrentar Rosalba outra vez.


Carlos Eduardo anuncia apoio a Bolsonaro

Alexandre Cavalcanti,

O candidato do PDT ao governo do Estado, Carlos Eduardo Alves, lamentou a ausência de Ciro Gomes (PDT) na disputa do segundo turno presidencial e anunciou, agora mesmo, apoio ao candidato do PSL, capitão Bolsonaro.

Carlos Eduardo disse que o PT foi um estelionato eleitoral. Prometeu um País com mais educação, mais saúde, mais oportunidades e mais segurança e "nos devolveu um País inseguro e com milhões de desempregados", sem educação e sem saúde.

a


Bolsonaro ganha apoios expressivos e espontâneos no RN

Alexandre Cavalcanti,

O prefeito de Natal, Álvaro Dias (MDB), deve reforçar, nas próximas horas, a campanha do capitão Bolsonaro (PSL). Será a primeira grande sinalização do grupo de Carlos Eduardo (PDT) rumo ao antipetismo. O deputado Tomba Faria (PSDB), um dos mais votados do Estado, e sua mulher, Fernanda(MDB), prefeita de Santa Cruz, seguem no mesmo rumo.

É aguardado para ainda hoje o anúncio da posição da prefeita de Mossoro, Rosalba Ciarlini (PP), que tem, também, a responsabilidade de virar o jogo na capital do Oeste. O filho de Rosalba, o publicitário Kadu Ciarlini (PP), é o vice na chapa de Carlos Eduardo.

Em Natal e Mossoró, o capitão Bolsonaro já foi vitorioso no primeiro turno. Agora, na fase decisiva do pleito, há um movimento em todo o Nordeste, - única região que deu maioria ao candidato  do PT -, para equilibrar a eleição presidencial.


Carlos Eduardo surfa na onda Bolsonaro

Alexandre Cavalcanti,

Carlos Eduardo, candidato do PDT ao governo do Estado, tem pressa. Afinal, corre atrás de um prejuízo de 200 mil votos, - diferença pró Fátima Bezerra (PT), no primeiro turno. O momento é difícil, mas não é desesperador. "A onda Bolsonaro (PSL) está aí para isso mesmo", afirmam eufóricos seus mais próximos auxiliares.

O PDT Nacional deu a senha. O ex-presidenciável Ciro Gomes não quis conversa com ninguém. Pegou o primeiro vôo pra Europa. Quem ficou terá que decidir sozinho. 

Carlos Eduardo não tem outra alternativa. Vai de Bolsonaro para presidente. Sua concorrente, Fátima Bezerra, é Haddad desde criancinha.

E assim, a exemplo do resto do Brasil, está estabelecido, também, no Rio Grande do Norte, o confronto PT versus antipetismo.


DF elege deputado que mora nos Estados Unidos

Alexandre Cavalcanti,

Mudou mesmo ou a mudança está apenas começando? O resultado do pleito, em primeiro turno, confirmou uma série de frases prontas. A que mais gosto: "ninguém é suficientemente forte, ou suficientemente poderoso e rico que não precise do parceiro ao lado".

Somos obrigados a reconhecer que muita coisa mudou de 2014 para 2018. Veja esse exemplo, em Brasília, Distrito Federal. O candidato Luís Miranda, do DEM,  mora em Miami, Estados Unidos, e foi eleito deputado federal na capital do Brasil.

Miranda chegou ao Brasil 25 dias antes do pleito, a tempo de fazer algumas reuniões e de se exibir nos programas eleitorais gratuitos. Ele defende, nas redes sociais, uma reforma tributária ( a do Trump) que reduza os impostos das empresas.

Isso quer dizer que aquela velha história de visitar as bases não tá valendo mais nada.


Luizinho volta à cena política em Macaíba

Alexandre Cavalcanti,

O ex-prefeito Luiz Gonzaga Soares volta à cena política de Macaíba com força total  e aparece como um dos nomes mais comentados à sucessão municipal. 

O grupo de Luizinho, incluindo de. Antônio e França Neto, seu filho, fez o deputado Fernando Mineiro (PT) o mais votado do Município, ganhando, inclusive, de Rogério Marinho (PSDB), candidato oficial do prefeito Fernando Cunha.

Luizinho já tinha sido eleito o vereador mais votado e, agora, mais recentemente, fez o filho, França Neto, também, como o vereador mais votado de Macaíba. A posição de Luizinho foi consolidada com os 4.400 votos que deu a Mineiro contra 3.880 de Rogério e  2.600 de Natália Bonavides, a mais nova sensação do Partido dos Trabalhadores.

No comparativo com a ex-prefeita Marília Dias (MDB), Luizinho ganha longe. O candidato de Marília,  Walter Alves, só obteve 906 votos o pior desempenho do filho de Garibaldi, em Macaíba. Marília colou o voto de federal com o do estadual: sua candidata, Terezinha Maia, conquistou 996 votos.


O PT e a velha e cansada Arena

Alexandre Cavalcanti,

O Partido dos Trabalhadores transformou-se ao longo do tempo, em 30 anos, na velha e cansada Aliança Renovadora Nacional(Arena), partido de sustentação política da revolução militar de 64, a maior fortaleza nordestina. Pelo menos, os meios para se sustentar são os mesmos da Arena e seus sucedâneos: PDS/PFL/DEM.

O que eram frentes de emergência, - programa de combate a seca no Nordeste - agora é bolsa família. Nada mudou, aliás, mudou o patrão, - o coronel, quem paga. Os métodos são os mesmos: a troca de votos por dinheiro. "Qualquer semelhança com a compra de votos, não é mera coincidência".

1-20 de 1107