Projeto de minimarina seca para a Redinha foi apresentado a Seturde

O projeto foi encomendado pelo secretário aos arquitetos e tem como objetivo desenvolver o turismo náutico em Natal.

Gerlane Lima,

VBO secretário municipal de Turismo e Desenvolvimento Econômico (Seturde), Fernando Bezerril, conheceu o projeto arquitetônico da minimarina seca da Redinha apresentado hoje, pela manhã em seu gabinete pelos arquitetos Luigi Lepori e Aristeu Martins do escritório de arquitetura CA-N. O projeto foi encomendado pelo secretário aos arquitetos e tem como objetivo desenvolver o turismo náutico em Natal. O local para construção da minimarina  abrange parte da antiga área de desembarque da balsa da Redinha, que pertence ao empresário e ex-prefeito de Areia Branca, Carlos Soares, com utilização  de 33 mil metros quadrados.

Segundo Fernando Bezerril a conclusão do projeto da mini marinha e o destravamento do projeto do hotel da BRA na Via Costeira foram as melhores notícias para ele do ano. “Agora existe um projeto concebido e agora será a vez de procurar o proprietário do terreno para saber sobre o seu interesse em construir a minimarina e em outra frente dialogar com investidores nacionais e internacionais que queiram assumir execução da obra”.

A mini marina terá capacidade para receber 80 barcos, com dois piers flutuantes, oficina de manutenção, guincho para deslocamento dos barcos para manutenção, restaurante e área administrativa e de controle alfandegário. Para o secretário o projeto tem grandes chances de ser executado, pois a área já foi utilizada como desembarque dos carros que utilizavam a balsa da Redinha. "Naquele espaço já existia a cultura do desembarque de passageiros, sendo assim não será necessário mexer em áreas de mangues ou de preservação", explicou.

Segundo o arquiteto Aristeu Martins o terreno não apresenta grandes dificuldades para a execução do projeto. “Ele tem peculiaridades como qualquer outro terreno, mas com os estudos iniciais identificamos os pontos e já traçamos as ações a serem desenvolvidas”, explicou Aristeu.


A+ A-