Chile: Turistas que compraram pacotes com agências de viagem podem fazer cancelamento

Segundo o presidente da ABAV, Abdon Gosson, normalmente, as companhias aéreas fazem o reembolso ou remarcam a passagem para outra data, sem multa.

Fátima Elena Albuquerque,
Twitter

De acordo com o presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagens (ABAV), Abdon Gosson, quando um problema é generalizado no país, como é o caso que está ocorrendo no Chile, mais especificamente na capital, Santiago, ele afeta diretamente o viajante, que estava com tudo programado, passagens compradas e hotel reservado. “Normalmente, as companhias aéreas não cobram nada pelo reembolso, em caso de cancelamento, ou para remarcar a passagem para outra data”, explicou.

“Os hotéis e prestadores de serviços sabem que os turistas não querem ir para um destino onde está acontecendo problemas como esse no Chile. Então, mesmo diante de reservas feitas sem direito a reembolso, eles aceitam remarcar ou prorrogar a estadia. Ou ainda, liberam o reembolso. O mesmo ocorre a nível de receptivo, translado e city tour”, acrescentou o presidente da ABAV.

Segundo Abdon Gosson, financeiramente, o viajante não tem muito problema. “Remarca-se tudo e depois se resolve. O chato é para quem tirou férias e teria que ser numa data específica. Aí, não tem jeito”, lamenta. 

O presidente da ABAV alerta, entretanto, que a resolução desses problemas é mais garantida quando a compra do pacote é feita por intermédio de uma agência de viagem. “Se a reserva do hotel e a compra de passeios, por exemplo, foi feita pela internet, é mais difícil conseguir o reembolso. Vai depender da boa vontade do hotel ou do prestador de serviço. E no caso da passagem comprada pela internet, vai depender da companhia aérea. Normalmente, ela faz o reembolso", afirma.

Tags: protestos no Chile reembolso de passagens turismo
A+ A-