Mais de 65% das vítimas fatais no trânsito do RN tinham ingerido álcool

Levantamento foi feito com base na análise laboratorial de 99 laudos de perícias toxicológicas.

Da redação, Sesed,
Assecom/Itep
Peritas identificaram que 65,7% das vítimas de mortes no trânsito, no período de janeiro a maio de 2019 no RN, tinham presença de álcool no sangue.

A relação entre o consumo de bebida alcoólica e os acidentes de trânsito com vítimas fatais motivou uma pesquisa desenvolvida por peritas criminais do Instituto Técnico-Científico de Perícia (Itep), que revelou um resultado surpreendente: 65,7% das vítimas de mortes no trânsito, no período de janeiro a maio de 2019 no Rio Grande do Norte, tinham presença de álcool no sangue.

O levantamento realizado pelas peritas criminais Anne Caroline Moura, Fernanda Cagni e Karine Coradini, com base na análise laboratorial de 99 laudos de perícias toxicológicas feitas no Instituto, identificou ainda que em 86,1% dos casos a concentração de dosagem alcoólica superava 0,6 g/L, medida que segundo a legislação configura ilícito penal na condução de veículos.

“A maioria das pessoas vitimadas no trânsito que tinham ingerido álcool eram de homens (89%), sendo 41% com idade entre 18 e 29 anos. Nos casos com vítimas maiores de 30 anos, em 66,7% a concentração alcoólica chegava ao teor 1,5g/L”, explicou a perita Anne Caroline.

A pesquisa, que está em andamento, ainda identificou que os dias com maiores registros de acidentes fatais foram o domingo e a segunda-feira. “Estamos correlacionando os casos para apontar um relatório anual, para acrescer quais rodovias acontecem mais acidentes e em que casos eram os condutores dos veículos com ingestão de álcool”, explicou Fernanda Cagni. O trabalho também deverá ser apresentado no Congresso Brasileiro de Toxicologia, que ocorre no mês de outubro em São Paulo.

Tags: acidentes de trânsito consumo de bebida alcoólica Itep perícias toxicológicas
A+ A-