Maio amarelo: número de mortes no trânsito caiu 64,48% no RN nos últimos 7 anos

Chefe do núcleo de acidentes da PRF, Jefferson Ferreira, fala sobre a campanha de prevenção.

Rafael Araújo,
PRF
Acidentes no trânsito têm custo elevado para Estados e União e ocupa mais da metade dos leitos cirúrgicos de hospitais.
O número de mortes no trânsito do Rio Grande do Norte caiu 64,48%, de acordo com dados apresentados nesta terça-feira (7), pelo chefe do núcleo de acidentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) do Estado, Jefferson Ferreira. Em 2011 foram registradas 183 mortas nas rodovias federais do RN, enquanto no ano passado este número caiu para 118.

Ainda de acordo com Jefferson Ferreira, o Brasil reduziu em 24,7% o número de mortos no trânsito na última década. As reduções também foram provocadas desde a implantação do ‘maio amarelo’, campanha formalizada pela Organização das Nações Unidas (ONU) no dia 11 de maio de 2011, com proposta de reduzir as mortes no trânsito.

A iniciativa da ONU surgiu após se constatar que o trânsito estava entre as 10 maiores causas de mortes no mundo, atingido mais de 50 milhões de feridos e mais de 1,2 milhões de mortos por ano.

Diante dos números, Jefferson Ferreira ressaltou que 980 vidas foram salvas na última década nas estradas do Estado. Outro dado importante é que paralelo a isso, também aumento as autuações da PRF nas estradas federais do RN – que saltou de 17.762 em 2018 para 20.547 neste ano (números consolidados de janeiro a maio).

O chefe do núcleo de acidentes da PRF ressaltou ainda que as mortes em decorrência de acidente de trânsito têm um valor social elevado para o Estado e União. Um acidente com um morto custa em média R$ 646 mil, enquanto com ferido tem custo de cerca de R$ 90 mil.

Ele ressaltou ainda que, por ano é gasto R$ 53 bilhões por ano com atendimento às vítimas de acidentes de trânsito. E, que, 60% dos leitos cirúrgicos são ocupados por vítimas da violência nas estradas. 


Confira o vídeo:

Tags: Acidentes Mortes Trânsito Violência
A+ A-