Mais de 398 incêndios florestais já foram combatidos no Estado em 2019

Dados dos Corpo de Bombeiros apontam que a capital registrou maior número de casos.

Da redação,
Divulgação / Corpo de Bombeiros
Além de causar prejuízos econômicos e sociais, as queimadas poluem a atmosfera, acarretando aquecimento global e mudanças climáticas.
O Rio Grande do Norte registrou 398 incêndios ambientes somente de janeiro a agosto de 2019. Os dados foram divulgados pela Coordenadoria de Estatísticas e Análises Criminais (COINE) e o Corpo de Bombeiros Militar do Estado.

Os dados mostram que a capital potiguar registrou o maior número de incêndios ficando com 28% do total, seguida de Mossoró e Caicó, com 26% e 16%, respectivamente. Os meses que registraram o maior número de incêndio foram janeiro (92) e agosto (163).

As queimadas e os incêndios florestais estão entre os principais problemas ambientais enfrentados no Brasil. Além de causar prejuízos econômicos e sociais, as queimadas poluem a atmosfera, acarretando aquecimento global e mudanças climáticas, acelerando os processos de desertificação e provocando a perda da biodiversidade.

De acordo com o tenente-coronel Bezerra, o forte calor e a ausência de chuvas neste mês de janeiro estão entre as principais causas das ocorrências. “Descuidos da população como a queima de áreas para limpeza de terrenos, também podem provocar incêndios ambientais. A prática de atear fogo em lixo ou áreas de terreno devem ser evitadas porque se trata de crime ambiental, com penalidades previstas em lei”, disse.

Ainda segundo o oficial, nos casos em que a população perceber que alguém está colocando fogo em alguma área deve ligar para a Polícia Militar no número 190 e denunciar, já em caso de ocorrências de incêndio o telefone dos bombeiros é o 193.

Tags: Segurança Pública
A+ A-