Há 2 anos, massacre em presídio de Manaus resultou em mortes de Alcaçuz

Nova crise no sistema prisional do Amazonas traz à tona lembrança do caos na penitenciária do RN.

Rafael Araújo,
Andressa Anholete/AFP/JC
Ex-governador Robinson Faria (PSD) disse que as mortes no presídio do RN foram uma ‘retaliação’ ou ‘vingança’ ao que ocorreu no Amazonas.

Em 2017, após um massacre vitimar 56 presos no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus, uma rebelião resultou na morte de 26 presos na Penitenciária Estadual de Alcaçuz, localizada em Nísia Floresta, na Grande Natal. Na época, o então governador Robinson Faria (PSD) disse que as mortes no presídio do Rio Grande do Norte aconteceram devido a uma ‘retaliação’ ou ‘vingança’ ao que ocorreu no Amazonas.

Diante das novas mortes que vem ocorrendo nos presídios de Manaus, onde 40 presos foram encontrados mortos nos últimos dias e do fato relatado pelo ex-governador, o portal Nominuto.com questionou as secretarias de Segurança e de Justiça e Cidadania sobre a possibilidade de nova rebelião nos presídios do RN, mas as pastas não quiseram se pronunciar.

Questionadas sobre a possibilidade de um reforço na segurança devido ao temor de novos problemas ocasionados por retaliação ou vingança à rebelião ocorrida em Manaus, a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (Sesed) disse que não vai comentar o assunto, enquanto a Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejuc) limitou-se a dizer que todos os procedimentos de segurança estão mantidos nos presídios do Estado.

alca-h2

Ainda em 2017, o massacre ocorrido na Compaj, em Manaus, aconteceu no dia 1° de janeiro. Treze dias depois, situação semelhante aconteceu no presídio de Alcaçuz, na Grande Natal, onde 36 presos foram mortos durante confronto entre detentos de facções criminosas rivais.

A possível vingança ou retaliação revelada pelo governador Robinson Faria pode ter acontecido pelo fato de uma mesma facção criminosa com atuação em todo o país está envolvida nos massacres ocorridos no Rio Grande do Norte e no Amazonas.  

Tags: Segurança Pública
A+ A-