SBD lança campanha com orientações sobre a dermatite atópica em todo o Brasil

Doença é crônica, hereditária e não contagiosa.

Da redação,
Divulgação
Pacientes com dermatite atópica não possuem a barreira protetora da pele e convivem com alergia cutânea.

A dermatite atópica é uma doença da pele comum na população brasileira. Até 25% das crianças podem apresentar episódios da doença e até 7% dos adultos podem ser acometidos. Trata-se de uma doença crônica, hereditária e não contagiosa, que em decorrência das lesões na pele e coceiras, pode afetar a autoestima do paciente e sua interação social.

“A dermatite atópica se caracteriza pela coceira extrema que podem prejudicar crianças, adolescentes e adultos nas atividades do dia a dia e até distúrbios no sono”, destaca a dermatologista Dra. Danielle Espinel, presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia no Rio Grande do Norte.

Pacientes com dermatite atópica não possuem a barreira protetora da pele e convivem com alergia cutânea que pode desencadear pele seca, erupções que coçam e crostas, principalmente nas dobras do corpo, como pescoço, cotovelo e atrás do joelho, áreas mais espessas e secas. Outras características da doença são esfoliações causadas por coceira, alterações na cor, vermelhidão ou inflamação da pele, que também podem surgir após irritações prolongadas, gerando eczemas.

A doença é controlada com a identificação e controle dos fatores desencadeantes, além de medicação adequada. Alguns dos fatores para o desenvolvimento da doença são: contato com materiais ásperos, poeira, detergentes e produtos de limpeza em geral, roupas de lã e tecido sintético, temperaturas extremas, infecções, alguns alimentos e o estresse emocional.

O tratamento da dermatite atópica visa melhorar os sintomas que interferem diretamente na qualidade de vida do paciente e no controle da coceira, a redução da inflamação da pele e a prevenção das recorrências. O dermatologista poderá indicar o melhor tratamento para a doença.

Tags: dermatite atópica
A+ A-