Carros fumacê de combate ao Aedes aegypti estão sem inseticida

Serviço está parado aguardando fornecimento do produto pelo Ministério da Saúde; normalização deve ocorrer somente em 45 dias.

Rafael Araújo,
Arquivo/Governo do Estado
Carros fumacê não estão sendo utilizados nos Estados devido à falta de envio de inseticida pelo Ministério da Saúde.
O combate às doenças provocadas pelo Aedes aegypti está prejudicado no Rio Grande do Norte. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde (Sesap), os carros fumacê – veículos utilizados para espalhar inseticida e combater o mosquito - estão parados por falta do produto, que é fornecido pelo Ministério da Saúde aos estados.

De acordo com a assessoria de comunicação da Sesap, a secretaria possui atualmente 30 carros fumacê, sendo que 26 deles são equipados especialmente para espalhar o inseticida pelas ruas e outros quatro são veículos de apoio.

A Secretaria de Saúde informou ainda que a falta de circulação do carro é uma situação nacional e que a previsão do Ministério da Saúde é de que o abastecimento do inseticida se normalize daqui a 45 dias.

Após receber uma denúncia de um morador do bairro de Igapó, na zona norte de Natal, a reportagem também procurou a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), que ratificou a informação da Sesap de que o serviço não estava funcionando por causa da falta do produto.

Apesar da paralisação do serviço do carro fumacê, a SMS destacou que faz um trabalho de combate independente, onde os agentes de endemias levam nas costas um equipamento para borrifar a inseticida em locais que são considerados de risco para proliferação do mosquito. Atualmente, a secretaria revelou ter 650 agentes de endemias no Centro de Controle de Zoonoses.

Questionada pela reportagem através da assessoria de comunicação sobre a falta de fornecimento da inseticida aos Estados, o Ministério da Saúde comunicou que iria enviar uma nota de esclarecimento – que não foi enviada até o fechamento desta matéria. O espaço segue aberto. 

Tags: Saúde
A+ A-