Ubaldo Fernandes defende ampla reforma administrativa pelo governo

Segundo o deputado estadual do PTC, são necessárias medidas mais rígidas para vencer a crise.

Fátima Elena Albuquerque,
Fladson Soares/Nominuto.com
Deputado estadual Ubaldo Fernandes, do PTC, acredita que vencer essa atual crise no RN dependerá muito da classe política.

Do pacote de medidas para o ajuste fiscal do Estado, anunciado pela governadora Fátima Bezerra e que passará pela apreciação da Assembleia Legislativa, apenas uma, que é o da antecipação dos royalties do petróleo e gás, chegou às mãos dos deputados estaduais. “Estamos esperando que a governadora envie as medidas para que nós possamos nos debruçar sobre elas e saber o que é bom e o que é ruim diante do caos que o Estado enfrenta”, afirmou o deputado estadual Ubaldo Fernandes (PTC), em entrevista nesta segunda-feira (11) ao programa RN Acontece.

O deputado, que integra a base aliada no governo na AL, disse estar dando um crédito de confiança à governadora Fátima Bezerra e destacou que irá apoiar o governo e a antecipação dos royalties até 2022. “Entendemos que as dificuldades enfrentadas no RN não são de agora, mas vêm de vários governos, e é preciso que a gente possa se unir neste momento e procurar caminhos para resolver o problema”, frisou.

RN-H21

Ubaldo Fernandes acredita que vencer essa atual crise no RN dependerá muito da classe política e, na opinião dele, Fátima Bezerra está sendo muito responsável em não anunciar o pagamento aos servidores das quatro folhas salariais em atraso, pois o Estado está sem recursos  necessários para efetuar isso. O foco, frisou ele, serão os recursos externos , especialmente os provenientes do governo federal.

O deputado disse não acreditar nas especulações de que o governo Fátima está fazendo caixa para pagamento dos compromissos atuais, deixando de lado as dívidas deixadas pelo governo anterior. “Não acredito que isso esteja ocorrendo”, comentou. Ubaldo defende medidas mais rígidas por parte do governo, como uma grande reforma administrativa para contenção de custos com a máquina, a venda de alguns ativos do Estado, como é o caso da Potigás, e se aproximar mais do governo federal, no intuito de conseguir uma linha de crédito para suprir as folhas em atraso.

Outra alternativa, segundo o deputado estadual, é cobrar os 100 maiores devedores do Estado os impostos devidos. Ubaldo defendeu ainda que os palanques sejam desfeitos, pois o partido maior hoje é o Rio Grande do Norte.

Tags: RN Acontece Ubaldo Fernandes
A+ A-