Presidente do Igarn avalia situação hídrica do RN

Segundo Josivan Cardoso, renovação do decreto de situação de emergência era necessária.

Fátima Elena Albuquerque,
Fladson Soares/Nominuto.com
Segundo Josivan Cardoso, o Igarn monitora atualmente 47 reservatórios acima de 5 milhões de metros cúbicos no Rio Grande do Norte.

Apesar de um período de regularidade de chuvas em 2018, pela 13ª vez seguida, o Governo do Rio Grande do Norte renovou, no mês de setembro, por mais 180 dias, o decreto de situação de emergência, por causa da seca, em 152 dos 167 municípios do Estado – o que representa 91% dos municípios potiguares.

Para o Diretor-Presidente do Instituto de Gestão das Águas do Estado do Rio Grande do Norte (Igarn), Josivan Cardoso Moreno, realmente, diante dos últimos 7 anos de seca intensa, o período chuvoso, ocorrido neste ano, ajudou a melhorar a situação de alguns reservatórios, mas não foi suficiente para resolver o problema. Atualmente, 8 reservatórios encontram-se secos.

Em entrevista hoje (1º) ao programa RN Acontece, ele lembrou que o Igarn monitora 47 reservatórios acima de 5 milhões de metros cúbicos. “Estes reservatórios são aqueles que dão condições a manter o dinamismo do abastecimento humano e da dessedentação animal e também para outros usos múltiplos”, afirmou.

Segundo Josivan Cardoso, no final da quadra chuvosa deste ano, no interior do Estado, iniciada em janeiro e seguindo até o mês de maio, houve um melhoramento nos reservatórios, chegando eles, no total, a ter 30% da capacidade hídrica.

ent-h2

“Isso foi um estudo realizado ainda em dezembro de 2017 pelo Igarn. Estudamos as bacias, as drenagens e os reservatórios e fizemos a previsão de que se chovesse na regularidade dos invernos, em média normal, no RN, vamos conseguir chegar aos 30% e foi o que ocorreu”, explicou.

Porém, em contraponto, no final do inverno de 2017, o Estado estava com 17% da capacidade hídrica, com reservatórios totalmente secos naquele período. “Também tivemos reservatórios que não tomaram água”, como é o caso do Gargalheiras, em Acari, Dourado, em Currais Novos, fazendo com que a situação de abastecimento e uso de água piorasse , “mesmo com as ações realizadas pelo Estado”, destacou o presidente do Igarn.

Segundo dados da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Pesca (Sape), a escassez hídrica vem causando perdas de receitas de mais de R$ 4,3 bilhões por ano aos cofres públicos.

Na opinião de Josivan, a renovação do decreto de emergência foi importante, pois os próprios dados de reserva hídrica do RN denotam e confirmam essa necessidade. “Não podemos manter a infraestrutura hídrica funcionando regularmente sem esse decreto”, frisou Josivan.


Confira a entrevista:


AMS

Tags: Josivan Cardoso Moreno RN Acontece seca situação de emergência
A+ A-