Veja mostra Bolsonaro próximo de ser presidente com missão de unificar o país

Revista compara fenômeno do capitão do Exército com a magnitude do que ocorreu com a popularidade de Lula.

Da redação,

VEJAVeja

Será isso mesmo? Com boa vantagem nas pesquisas, Bolsonaro está a um passo de virar presidente.

Jair Bolsonaro não ganhou só o primeiro turno das eleições em 7 de outubro. O ex-obs­curo deputado, sem dinheiro e sem partido forte, conquistou um recorde de 49 milhões de votos (o anterior era da ex-­presidente Dilma Rousseff, com 47,5 milhões), quebrou uma polarização eleitoral de 24 anos entre PT e PSDB e transformou sua diminuta legenda, o PSL, na segunda maior da Câmara dos Deputados — de oito cadeiras, saltou para 52 e deve crescer à sombra do oportunismo dos que não aguentam ficar longe do poder. Não há dúvida de que Bolsonaro é um fenômeno político de uma magnitude que o Brasil não via desde Lula. O que ele fará com a notoriedade e a confiança que mereceu até agora de quase 50 milhões de brasileiros é que são elas.

Vi e não gostei
Pesquisa exclusiva: 45% dos brasileiros estão insatisfeitos com o resultado das eleições.

A primeira pesquisa eleitoral feita depois do primeiro turno, encomendada por VEJA à consultoria Ideia Big Data, revelou que a maioria do eleitorado ficou insatisfeita com o resultado das urnas. O levantamento, realizado presencialmente com 2 036 eleitores, entre 8 e 10 de outubro, mostra que 44% estão “insatisfeitos” ou “muito insatisfeitos” com o resultado, contra 35% que se declaram “satisfeitos” ou “muito satisfeitos”. “Os descontentes são os eleitores nem-­nem: não queriam nem Bolsonaro nem Haddad”, afirma Mauricio Moura, sócio da Ideia Big Data e idealizador da pesquisa.

O descontentamento se reflete também na pouca disposição dos eleitores que não votaram nem em Bolsonaro nem em Haddad para seguir agora uma eventual orientação de voto dada por seu candidato de primeiro turno. Somente 25% dos entrevistados responderam ter a intenção de fazê-lo. A pesquisa também confirmou a liderança de Bolsonaro na disputa contra Haddad no segundo turno por 54% a 46% dos votos válidos — distância mais estreita que a mostrada na pesquisa do instituto Datafolha, realizada um dia depois, que aponta 58% a 42%.

Leia mais em Veja.


epocaÉpoca

A margem de erro: o que está por trás das pesquisas eleitorais
Dúvidas sobre metodologias e erros colocam os levantamentos na berlinda.

A apuração de domingo (7) trouxe alguns resultados discrepantes com o que indicavam as pesquisas eleitorais até a véspera do pleito. ÉPOCA, em sua reportagem de capa desta semana, traz o que está por trás dos levantamentos, quem os financia, suas metodologias e por que tem se tornado mais difícil captar o que o eleitor fará na intimidade da cabine de votação.

Entre fake-news e correntes, Whatsapp dominou debate eleitoral
Com 120 milhões de usuários, plataforma se tornou ferramenta da campanha dos candidatos.

 Candidato a vice de Jair Bolsonaro (PSL), o general da reserva Hamilton Mourão (PRTB) teria um suposto plano para confiscar poupanças. O Partido dos Trabalhadores (PT) poderia distribuir mamadeiras com bicos em formato de órgão sexual. Manuela D'Ávila (PCB) teria usado uma camisa em que se lê “Jesus é Travesti”. Além de serem falsas, essas notícias compartilham mais um elo em comum: todas elas foram disseminadas no Whatsapp, aplicativo que nestas eleições ganhou protagonismo ao se transformar em palco de inverdades, desinformações e troca de ofensas.

Com 120 milhões de usuários no país, a ferramenta recebeu tanta relevância que Fernando Haddad, candidato petista à Presidência, chegou a responsabilizá-la pelo crescimento de Bolsonaro nas pesquisas de intenção de voto. A militância virtual do capitão da reserva é de fato um de seus maiores ativos para compensar os escassos 8 segundos de televisão. Preocupado com o poder de influência do Whatsapp, Haddad decidiu articular ainda no primeiro turno uma empreitada contra as inverdades que circulam a seu respeito.

Leia mais em Época.


istoeIstoé

De onde vem a onda conservadora?
O que explica a ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de 49 milhões de votos que quase liquidou a fatura no 1º turno das eleições e segue como franco favorito para ocupar a cadeira presidencial a partir de 2019.

Em 1992, James Carville, estrategista da campanha de Bill Clinton, do Partido Democrata, na disputa pela Presidência dos Estados Unidos contra George Bush, concorrente à reeleição, cunhou um mantra para o resultado de qualquer refrega política: “É a economia, estúpido!”. O termo pouco educado pretendia mostrar que é a questão econômica a balizadora dos resultados eleitorais. No caso, Carville apostava que a crise americana superaria o sentimento de resgate da autoestima do cidadão obtido após a vitória na Guerra do Golfo. O que se confirmou e garantiu a vitória de Clinton. As eleições brasileiras de 2018 parecem contrariar o mantra de Carville. No caso, o que definiu o resultado das urnas foi “a política, estúpido!”.

E nenhum outro candidato beneficiou-se dessa nova ordem de forma melhor que Jair Bolsonaro, do PSL. “Houve uma mudança profunda no sentimento do eleitor, que a maior parte dos candidatos, à exceção de Jair Bolsonaro, demoraram a perceber”, observa o cientista político André Felipe, especialista em questões municipalistas. Muitos ainda nem perceberam.

Até 2014, prevalecia o voto econômico, voltado a temas como controle da inflação, desemprego, estabilidade, desigualdade social. Este ano, não. Compõem os alicerces do voto em Bolsonaro o combate à corrupção, o enfrentamento dos problemas de segurança pública, a contestação ao establishment, que faz com que o eleitor do candidato do PSL sinta-se quase como um revolucionário dos tempos modernos, o conservadorismo, ao qual estão umbilicalmente ligados a questão cultural e os costumes – defesa da religião e de valores da família tradicional composta por “pai e mãe” contra uma agenda considerada progressista – e, claro, o antipetismo, grande responsável pela avalanche de votos na reta final.

A transmutação de Haddad

Como um sabão em pó em que o fabricante muda a embalagem para maquiar o produto, enganando o consumidor, o PT transformou radicalmente a campanha do seu candidato: retirou Lula da propaganda e trocou o vermelho pelo verde e amarelo.

Na segunda-feira 8, o candidato do PT Fernando Haddad repetiu o gesto que fez durante toda a campanha e foi à sede da Polícia Federal em Curitiba pedir a benção do ex-presidente Lula na sala-cela que lhe serve de prisão. Nessa visita, Lula, que é o coordenador de sua campanha, pediu que fosse a última vez que o candidato o visitasse durante este segundo turno.

Na verdade, como em uma sessão espírita, não foi Haddad quem se livrou de Lula. Mas Lula quem se livrou de Haddad. Na sua última recomendação ao candidato que lhe serve de avatar, Lula ordenou que Haddad passasse a tocar a campanha sozinho. O ex-prefeito de São Paulo foi autorizado pelo presidiário a tornar-se, de fato, candidato à Presidência da República. E, rapidamente, transmutou-se. Sumiram as camisetas com os dizeres “Lula livre”. Entraram em seu lugar fotos suas com ternos bem cortados e cabelos aparados. Sumiu a foto de Lula, que dividia espaço de destaque ao lado de Haddad e da sua vice, Manuela D’Ávila (PCdoB). Desapareceram outros gurus petistas, como o ex-ministro José Dirceu. Até a cor vermelha do PT saiu de cena. Agora, Haddad é verde e amarelo, as mesmas usadas por Bolsonaro. Se durante o primeiro turno, Haddad precisou se vincular diretamente à imagem de Lula para conseguir ter uma candidatura com alguma competitividade, agora ele se transforma para se aproximar de Bolsonaro e reverter o quadro que, no primeiro turno, rendeu 46% dos votos ao candidato do PSL contra os 29% dados a ele, diferença de 17% a favor do ex-capitão do Exército.

Agora, para crescer, os marqueteiros concluíram que Haddad precisa se descolar do ex-presidente, que tem uma elevada rejeição, e fizeram nele uma maquiagem, com o intuito de engabelar o eleitor.

A fábrica de extermínio de Hitler

Em “O Holocausto”, Laurence Rees mostra como o assassinato de milhões de judeus se tornou necessidade da máquina de guerra nazista.

Leia mais em Istoé.


CARTACartaCapital



Edição especial: Por uma frente democrática
Contra o neoliberalismo e a vassalagem a Tio Sam.


Leia mais em CartaCapital.

Tags: Revistas semanais
A+ A-