Época: Queda da Bolsa e o tombo dos novatos

Crise aguda provocada pelo coronavírus é teste para mais de 1 milhão de iniciantes.

Da redação,
epocaÉpoca

Meu primeiro crash

O primeiro “circuit breaker” a gente nunca esquece — nem o segundo, nem o terceiro, nem o quarto... Ainda mais quando eles chegam juntos, como nesta semana, para mais de 1 milhão de pequenos investidores que entraram na Bolsa de Valores nos últimos dois anos. O mecanismo de paralisação dos negócios foi acionado às 10h30 da segunda-feira 9, quando o índice Ibovespa despencava 10%. Aquele botão de emergência automático não intervinha para acalmar os ânimos desde o chamado “Joesley Day”, quando se conheceu a delação do sócio da JBS, Joesley Batista, em maio de 2017.

Em retrospectiva, o tombo há três anos parece pequeno. Agora o medo é global, provocado pelas projeções dos efeitos que a pandemia do novo coronavírus terá na economia real e pela queda de braço entre sauditas e russos sobre o preço do petróleo. Na quarta-feira 11, a crise sem hora para acabar provocaria uma nova parada nas negociações na Bolsa brasileira. No mesmo dia, o índice Dow Jones, que mede a performance das maiores empresas americanas, tinha uma queda que acabava com um período de 11 anos de bull market, jargão usado para descrever um longo ciclo de alta. Na quinta-feira 12, a parada na Bolsa brasileira se repetiria duas vezes somente pela manhã — e ninguém fazia ideia de quando essa onda de “circuit breakers” teria fim. Para completar, o dólar passou, pela primeira vez, a barreira dos R$ 5.

Leia mais em www.epoca.globo.com


vejaVeja

"Precisamos proteger o Brasil"

A revista traz uma entrevista com o ministro Paulo Guedes, onde ele analisa os impactos do coronavírus na economia do país e faz um apelo para que o governo e o Congresso se unam e aprovem as reformas.

O papel que Brasília tem a cumprir no enfrentamento da crise detonada pelo coronavírus e pelo choque do petróleo é crucial — e o tempo, bastante curto. O ministro estabeleceu como meta deslanchar as reformas nas próximas quinze semanas. “Por um lado, o Executivo tem de fazer sua parte. Por outro, o Congresso tem de desentupir o que está sentado em cima. Agora é a hora de cobrarmos uns aos outros. Temos de transformar a crise em reformas”, afirma Guedes.

Leia mais em www.veja.abril.com.br


istoeIstoÉ


As falagens do ódio digital

A família Bolsonaro lidera um dos mais implacáveis movimentos de fake news contra opositores nunca vistos na história do país. Como funciona essa engrenagem que visa construir um regime autoritário e populista de poder. Revista também destaca os preparativos do Brasil para a emergência por causa do coronavírus e ressalta o fechamento de fronteiras no mundo. A publicação também diz que o governo federal fez pouco caso do assunto e demorou a agir.


Leia mais em www.istoe.com.br


cartaCarta Capital


O Brasil e o Covid-19

A revista aborda a disseminação do novo coronavírus no Brasil e destaca que o país enfrenta enormes obstáculos para lidar com a pandemia. Na capa, a revista ainda aproveita para criticar o presidente Jair Bolsonaro.

A publicação também dá destaque à prisão de Ronaldinho Gaúcho no Paraguai e liga prisão a envolvimento em lavagem de dinheiro, jogatina e até em interesses obscuros de Brasília.

Zero vírgula zero: A atuação parlamentar dos filhos 01 e 02 e o 03 oscia da irrelevância à inoperância, aponta levantamento.

Leia mais em www.cartacapital.com.br

Tags: Revistas semanais
A+ A-