Condenação do Lula no TRF-4 marcou semana

Principais revistas de circulação semanal destacam o julgamento do ex-presidente da República.

Da redação,

VEJA3Veja

O que falta para Lula ser preso

Como a condenação unânime e a pena aumentada para doze anos, o ex-presidente fica com poucas saídas na Justiça -, e no cenário mais extremo, pode estar na cadeia em quarenta dias.

O revés no TRF4 também deixa o petista mais perto da prisão, já que entendimento recente do Supremo Tribunal Federal (STF) permite o cumprimento imediato da pena a condenados em segunda instância. Com o placar de 3 a 0, o mais desfavorável possível ao petista, resta a Lula apenas a possibilidade de apresentar embargos de declaração, um recurso limitado, usado apenas para questionar omissões, contradições e pontos obscuros na sentença, e pode ser julgado em menos de um mês.

Inteligência artificial

As profissões que vão desaparecer no futuro breve - e as que surgirão

No momento em que a humanidade parece estar perto de construir um robô capaz de substituir o homem em um sem-número de atividades, o que poderia ser motivo de unânime comemoração arrasta consigo o pavor de que a inteligência artificial deixe milhões de seres humanos desempregados.

Segundo levantamento feito pela organização do fórum, a soma de empregos perdidos para a Inteligência Artificial será de 5 milhões nos próximos dois anos. Reportagem de VEJA desta semana mostra quais são os postos que serão extintos, como o de operador de telemarketing; quais surgirão, como o de arquiteto de realidade virtual; e quais profissões serão exercidas por humanos e robôs, como a advocacia.


EPOCA3Época

Lula não acabou

O papel nas eleições do ex-presidente condenado

O julgamento da 8a Turma do TRF da 4a Região, em Porto Alegre, que confirmou a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no caso do apartamento tríplex no Guarujá, litoral de São Paulo, foi seguido de alta na Bolsa de Valores e queda da cotação do dólar. Com o imediatismo que caracteriza suas decisões, os investidores avaliaram, de pronto, que o voto dos desembargadores ajudará a clarear a disputa presidencial deste ano, que começou cercada de incertezas. 

De fato, a Lei da Ficha Limpa, sancionada por Lula em 2010, é clara. Ela torna inelegíveis candidatos condenados por órgãos colegiados (com mais de um juiz). A não ser por uma improvável suspensão ou anulação da decisão dos três desembargadores que compõem a 8a Turma por alguma corte superior em Brasília, a declaração da inelegibilidade de Lula pode ser vista como uma questão de tempo.

José Afonso Pinheiro: o zelador do tríplex

Ele vigiava e cuidava do Condomínio Solaris e viu quando o ex-presidente Lula e Marisa foram visitar o apartamento 164-A. Foi demitido por contar o que sabia. Agora, reconstrói a vida e espera que a Justiça que puniu Lula também o sirva.

Pinheiro foi peça vital no processo que correu na Vara de Moro, em Curitiba. Ele foi testemunha ocular da presença de Lula e de Marisa Letícia no Condomínio Solaris em mais de uma ocasião. Em 23 de outubro de 2015, Pinheiro prestou um depoimento aos promotores. Disse que Marisa Letícia “chegou a frequentar o espaço comum do edifício indagando sobre o salão de festas, piscina, áreas comuns”.


ISTOE3Istoé

Lula condenado

“O cara acabou”

Nos termos da letra fria da lei, tão logo transitado em julgado o processo em segunda instância, Lula torna-se um cidadão incapaz de homologar sua candidatura, por qualquer que seja a legenda que ouse abrigá-lo. Portanto, inelegível e a poucos meses de ter seu mandado de prisão expedido, Lula caminha célere rumo ao trágico desfecho de sua trajetória política. Um vaticínio já se cumpriu: aquele cara, “o cara”, acabou. Virou um cadáver político insepulto. Poderia ter sido diferente, mas como dizia Ulysses Guimarães: “o mal de Lula é que ele gosta de viver de obséquios”.

Lula, de fato, viveu de obséquios, atraído pelo aconchego e atalhos fáceis do poder. E para alcançar e se manter no poder, Lula mandou às favas todos os escrúpulos que um dia jurou ter. O tríplex no Guarujá, motivo de sua condenação, foi uma das facilidades das quais ele não abriu mão, mesmo após ter deixado o Planalto. Deu no que deu.

A volta de Collor

Vinte e cinco anos depois de renunciar à Presidência, numa tentativa desesperada de escapar do impeachment por corrupção em seu governo, Fernando Collor de Mello está de volta à disputa sucessória. Ele afirma que vai pôr novamente sua candidatura na ruas, na tentativa de repetir a vitória surpreendente de 1989. O ex-governador de Alagoas, hoje senador pelo PTC de seu estado, aposta suas fichas na memória curta do povo brasileiro. Pode até ser curta, mas não tanto quanto ele pensa. Ainda estão vivos na cabeça de várias gerações o despreparo e a prepotência de Collor — e também a rede de corrupção que seus asseclas montaram.


CARTA2Carta Capital

Um Brasil pior para todos

Preso ou não, Lula conserva intacta a sua força eleitoral e os heróis de hoje serão os vilões de amanhã.

A condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo placar de 3 votos a 0 no Tribunal Regional Federal da 4ª Região, na quarta-feira 24, abre o caminho para a prisão do petista e complica seriamente suas chances eleitorais. 

A eventual prisão do ex-presidente poderá ser decretada por Sérgio Moro, juiz de primeira instância, após o julgamento dos embargos declaratórios a serem apresentados pela defesa de Lula. A pré-campanha eleitoral, por sua vez, pode ser iniciada, mas a Justiça Eleitoral pode barrar a candidatura em agosto, com base na Ficha Limpa. Recursos às instâncias superiores em Brasília podem ajudar Lula, mas não é possível prever seu sucesso nesses tribunais.

O desafio de Lula de segurar apoios na esquerda

A confirmação da condenação criminal do ex-presidente Lula levou ele e o PT a botarem de vez uma nova candidatura lulista na rua. Diante das dúvidas sobre a sobrevivência do plano, o desafio petista será segurar os apoios partidários e sociais à candidatura existentes até agora. Uma dispersão pode ser fatal para a escolha de Lula de atrelar seu futuro judicial ao eleitoral.

Tags: Revistas semanais
A+ A-