Bispos do Sínodo da Amazônia dizem ser criminalizados 'como inimigos da pátria'

Carta encomendada pelo cardeal Dom Cláudio Hummes rebate acusações do governo de Jair Bolsonaro.

Da redação, Estadão Conteúdo,
Repam/Rede Eclesial Pan-amazônica
Bispos católicos brasileiros que irão participar do Sínodo na Amazônia se reúnem em Belém, no Pará.

A Igreja Católica afirmou nesta sexta-feira (30) lamentar que os bispos envolvidos no Sínodo da Amazônia sejam “criminalizados" e tratados como "inimigos da pátria". Eles decidiram escrever uma carta para rebater acusações do governo Jair Bolsonaro e de alas conservadoras do clero, que veem na pauta do Sínodo ameaças à soberania nacional.

“Lamentamos imensamente que hoje, em vez de serem apoiadas e incentivadas, nossas lideranças são criminalizadas como inimigos da pátria”, protestaram na carta, publicada após três dias de reuniões a portas fechadas na capital do Pará. Cerca de 120 religiosos católicos participaram do encontro de estudos preparatórios da assembleia de bispos marcada para outubro, em Roma.  

A carta foi encomendada pelo cardeal dom Cláudio Hummes, nomeado pelo papa Francisco como relator do Sínodo e porta-voz do pontífice para o tema, para desfazer o que os bispos consideram visões distorcidas sobre as intenções do Vaticano. Na única entrevista que deu após sua nomeação, d. Cláudio disse que o papa quer "pressionar" os governos locais a agir, entre eles o Estado brasileiro, e defende a participação de outros países também afetados pelas queimadas "criminosamente provocadas", nas palavras da Igreja.

Bolsonaro já se demonstrou refratário à ideia. Além da desconfiança da ala militar quanto aos objetivos do Vaticano, ele não aceitou todas as ofertas de ajuda - financeira ou material - que chegaram ao País por vias diplomáticas, entre elas US$ 20 milhões articulados pela França.

O presidente mandou a Polícia Federal investigar a autoria dos incêndios, depois de lançar, sem provas, suspeitas sobre o envolvimento de organizações não-governamentais. A apuração foi determinada depois de reportagens apontarem que houve incêndios provocados por pelo menos um movimento organizado de fazendeiros, anunciado no Pará como "dia do fogo" e não debelado a tempo pelo poder público.

A carta final do encontro dos bispos da Amazônia reitera que o Vaticano defende a soberania brasileira sobre seu território amazônico. "A soberania brasileira sobre essa parte da Amazônia é para nós inquestionável. Entendemos, no entanto, e apoiamos a preocupação do mundo inteiro a respeito deste macro-bioma que desempenha uma importantíssima função reguladora do clima planetário. Todas as nações são chamadas a colaborar com os países amazônicos e com as organizações locais que se empenham na preservação da Amazônia, porque desta macrorregião depende a sobrevivência dos povos e do ecossistema em outras partes do Brasil e do continente."

Tags: Dom Cláudio Hummes Igreja Católica Sínodo da Amazônia
A+ A-