Senado fecha acordo sobre comissões e MDB ficará no comando da CCJ

Simone Tebet deve ser indicada para a comissão; 11 partidos terão presidentes.

Da redação, Estadão Conteúdo,
Dida Sampaio
Presidente do Senado Federal, senador Davi Alcolumbre, do DEM, ao chegar ao Congresso Nacional nesta segunda-feira.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM), confirmou nesta terça-feira (12) que houve consenso para a divisão das 13 comissões da Casa. Pelo acordo fechado na reunião de líderes hoje, quase todos os partidos terão representação em algum dos colegiados.

O desfecho era compromisso de campanha de Alcolumbre, que prometeu distribuir os poderes do Senado com todas as legendas. O acordo inclui espaço para partidos com apenas um senador, como é o caso de PRB e PSC, e até mesmo para o MDB, que saiu derrotado na eleição interna.

Dos 16 partidos com representação na Casa, apenas cinco não devem eleger presidentes de colegiados: PDT, PPS, PR, PSB e PROS. Como todos os partidos aceitaram a divisão, as eleições dos presidentes de cada comissão deve acontecer por aclamação na sessão marcada para esta quarta-feira (13).

"Chegamos a um consenso sobre a composição das 13 comissões. Acordo deve ser oficializado por aclamação amanhã, às 10h. Hoje votaremos acordos interacionais", afirmou Alcolumbre.

Ficou definido que o MDB indicará o presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), que deve ficar a cargo da senadora Simone Tebet (MS), e o PSD presidirá a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), a cargo do senador Omar Aziz (PSD). O MDB também irá indicar o presidente da Comissão Mista de Orçamento (CMO), cujo nome deve ser o do senador Marcelo Castro (MDB).

Tags: CCJ Davi Alcolumbre MDB Senado Federal
A+ A-