Oposição quer investigar empresa do senador Eunício Oliveira

Segundo a reportagem, a irregularidade aconteceu em licitação de R$ 300 milhões na bacia de Campos, região de exploração do pré-sal no Rio de Janeiro.

Fábio Góis, Congresso e Foco,
A pauta pré-recesso parlamentar de meio de ano ganhou um elemento extra depois de notícia publicada neste domingo (10) pelo jornal O Estado de S. Paulo sobre suposta fraude em contrato com a Petrobras por parte de empresa do senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), tesoureiro do partido.

Segundo a reportagem, a irregularidade aconteceu em licitação de R$ 300 milhões na bacia de Campos, região de exploração do pré-sal no Rio de Janeiro. A Manchester Serviços Ltda., com 50% de participação de Eunício, obteve informação privilegiada da estatal, e com antecedência, a respeito da atuação de seus concorrentes na disputa por um contrato na área de consultorias e gestão empresarial. Depois disso, a Manchester procurou empresas em busca de acordo, com o objetivo de ganhar o contrato.

Eunício silencia. Mas a oposição, que tem aproveitado focos de escândalo do governo Dilma Rousseff para polemizar, quer fazer barulho. O PPS, capitaneado pelo deputado Roberto Freire (PE), vai recorrer à Procuradoria-Geral da República em busca de abertura de inquérito sobre o caso. O líder do partido na Câmara, Rubens Bueno (PR), quer ouvir o presidente da Petrobras, Sérgio Gabrielli, na Comissão de Minas e Energia da Câmara. Também é cogitado um convite para que diretores da empresa de Eunício prestem esclarecimentos.

Já o PSDB vai encaminhar ofício ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, para que a Polícia Federal seja acionada e investigue as denúncias. O partido, sob a liderança de Duarte Nogueira (SP) na Câmara, também vai recorrer ao Tribunal de Contas da União para instalar auditoria especial sobre o contrato. Os tucanos querem ainda aprovar nas Comissões de Minas e Energia e Fiscalização e Controle requerimentos de convite ao presidente da estatal.
A+ A-