Fernando Freire alega inocência e rechaça conotação política para prisão

Ex-governador falou à imprensa minutos depois de receber alvará de soltura expedido pelo mesmo juiz que mandou prendê-lo. Ele se lançou candidato a vereador em Natal.

Fred Carvalho,
Fred Carvalho
Fernando Freire prestou depoimento na manhã desta sexta
O ex-governador Fernando Antônio da Câmara Freire se disse inocente das acusações de crimes cometidos na época em administrou o Rio Grande do Norte. Freire falou à imprensa na tarde desta sexta-feira (7), minutos após ser beneficiado por um alvará de soltura expedido pelo juiz da 8ª vara Criminal de Natal, Ivanaldo Bezerra Ferreira dos Santos, o mesmo que mandou prendê-lo. O ex-governador, que atualmente trabalha como consultor de empresas, foi preso na quarta (5), em um hotel em Brasília.

Fernando Freire rechaçou qualquer vinculação política à prisão dele. “Não acredito que o juiz Ivanaldo Bezerra ou a Justiça potiguar ajam com arbitrariedade. Respeito muito a nossa Justiça, mas acho que desta vez houve um erro, até mesmo porque justifiquei as minhas ausências em audiência com atestados médicos. De qualquer forma, sei que não nenhuma conotação política. Muito pelo contrário. Quero registrar meu agradecimento ao tratamento a mim dispensado por todos que fazem o governo da professora Wilma de Faria”, frisou.

O ex-governador também disse achar que a prisão não tem relação com o fato de o senador Garibaldi Alves Filho, correligionário dele, ter se lançado candidato à presidência do Senado. “Isto está fora de cogitação, não tem nada a ver”.

Fernando Freire também criticou “a postura de alguns setores” do Ministério Público. “Como um todo, o Ministério Público é muito importante para a sociedade. Mas acho que alguns setores estão exagerando na dose. Aprendi muito com essa minha prisão. A partir de agora vou tratar desse caso com mais vigor, com mais empenho. Vou provar minha inocência em que qualquer tipo de acusação como essas”.

Indagado sobre quem seriam os responsáveis pelas fraudes apontadas pelo Ministério Público, Freire disse que cabe à Justiça provar quem cometeu algum tipo de irregularidade. “Eu, na condição de governador ou vice-governador do Estado, não tinha como saber quem recebia gratificação, de quanto era, ou coisas assim. Aliás, todos os governos trabalham com gratificação. Não fui eu quem inventou isso. Mas se isso realmente aconteceu, o Ministério Público terá que apontar quem foi e a Justiça vai dizer se essa pessoa é culpada ou não”.

O ex-governador aproveitou para se lançar candidato à Câmara Municipal de Natal. “Eu já tinha desistido da vida política, mas em respeito às milhares de pessoa que acreditam na minha honradez, no meu trabalho, na minha honestidade, vou sim ser candidato a vereador no ano eu vem. Vou provar minha inocência ao lado do povo”, concluiu.

Juiz nega arbitrariedade e marca próxima audiência
O juiz Ivanaldo Bezerra negou que tenha agido com arbitrariedade ao expedir o mandado de prisão contra Fernando Freire. “Jamais agi ou agiria assim. Apenas quis fazer ele cumprir as intimações. Como ele, mesmo que na condição de preso, compareceu, revoguei a prisão”, disse.

Ivanaldo Bezerra já agendou a próxima audiência de Fernando Freire. O ex-governador será ouvido pelo magistrado no dia 1º de abril do próximo ano, na 8ª vara Criminal.
A+ A-