Agripino não garante legenda para Rosalba

Senador do DEM foi reticente quanto ao apoio, nas instâncias partidárias, à reeleição da governadora.

Luis Juetê, Gazeta do Oeste,
agripino_mossoro_370O presidente nacional do Democratas (DEM), senador José Agripino, não garantiu ontem (23) a legenda para que a governadora Rosalba Ciarlini (DEM) concorra à reeleição no embate eleitoral deste ano. Em visita à residência de praia da ex-prefeita de Mossoró, Fafá Rosado (PMDB) e do deputado estadual Leonardo Nogueira (DEM), o dirigente democrata foi reticente quanto ao apoio, nas instâncias partidárias, à reeleição da governadora.

"O Democrata quem é? É a governadora, é o senador José Agripino; é o deputado Felipe (Maia), é o deputado Getúlio (Rego), é o deputado José Adécio, o deputado Leonardo Nogueira, os prefeitos. São eles que vão responder. Não sou eu quem vai responder a essa pergunta. Quem vai responder essa pergunta é o interesse do partido. O partido vai se reunir na hora certa para, em função dos seus objetivos, definir quais são os caminhos do partido, se vai ser candidatura própria ou se vai ser aliança com outros partidos", explicou o senador José Agripino.

Na condição de líder maior da legenda no Rio Grande do Norte, o parlamentar democrata explicou que ele será uma voz quando das discussões em torno do assunto. "Quem é o fórum próprio para definir isso? As convenções do partido. Tanto nacional quanto estadual", frisa.

Questionado pela editoria de Política da GAZETA DO OESTE a respeito do sentimento das instâncias partidárias em relação à reeleição da governadora Rosalba Ciarlini, o senador José Agripino disse que não houve, por parte dos membros do DEM uma posição definida quanto ofertar ou negar legenda a chefe do Poder Executivo. "As bases do partido não disseram nada porque não foram consultadas. Nem informalmente e nem extraoficialmente, porque quem poderia fazer essa consulta é o presidente e o presidente do partido não fez essa consulta ainda, porque não chegou a hora. Nem no plano nacional e nem no plano estadual, até porque eu acho que tudo tem de ser feito na sua hora, na hora oportuna", assinala.

Mesmo com uma administração extremamente mal avaliada, o senador e presidente do DEM entende que todo e qualquer cidadão está credenciado para disputar um mandato eletivo. "Qualquer brasileiro está credenciado. Agora, entre estar credenciado e estar com chances de ganhar a eleição, isso é outra questão", argumentou o parlamentar democrata.

Retorno

O presidente nacional do DEM externou a sua opinião quanto ao retorno da prefeita afastada Cláudia Regina às suas funções como chefe do Executivo mossoroense. "A minha expectativa é que ela (Cláudia Regina) vai retornar ao cargo", afirmou José Agripino.

Tanto em relação ao caso de Cláudia quanto o caso envolvendo o afastamento da governadora Rosalba, o senador José Agripino Maia questionou: "onde está a corrupção?". E afirma: "não houve malversação do dinheiro público". Segundo ele, não existiu, nos dois casos envolvimento de recursos públicos. Agripino lembrou que, os processos que pedem a cassação da prefeita já afastada Cláudia  estão em julgamento, com a oportunidade de prova e contraprova. "E não envolve a utilização de recursos públicos ou desvios de recursos públicos, nem por parte da governadora e nem da prefeita no exercício de suas funções", diz.

"É um governo que tem tido muitos problemas"

O senador José Agripino também manifestou as suas impressões a respeito do governo Rosalba Ciarlini. "É um governo de grandes dificuldades e que tem tido muitos problemas", afirma.

Mesmo observando problemas e dificuldades, o presidente nacional do DEM reconheceu que a administração da médica mossoroense se mostrou obstinado em servir. "Na minha opinião, é um governo de um bom padrão ético", avaliou José Agripino, lembrando que a herança de gestões passadas foi o grande dificultador da gestão. "É um governo que encontrou uma herança no campo das despesas compulsórias estabelecidas e que encontrou contas a pagar e contas com compromisso de ordem financeira com os servidores nas quais ela não conseguiu se livrar", observa o parlamentar.

Com a experiência de ter sido governador do Estado, José Agripino entende que esses compromissos de ordem financeira, comprometeu seriamente a administração estadual. "Comprometeu o dia a dia do governo", acrescentou o senador e dirigente nacional do Democratas, frisando que nesta fase final de gestão, o Governo do Estado em sua opinião conseguiu idealizar programas sociais que podem levar o Rio Grande do Norte ao crescimento e ao seu desenvolvimento. "É um governo que enfrentou e enfrenta dificuldades e conseguiu aprovar projetos que apontam para um futuro melhor", prevê o líder democrata.

Ao ser questionado a respeito do fato da arrecadação no Rio Grande do Norte apresentar sistemático crescimento e se esse dado não confrontava com uma realidade pregada pelo Governo do Estado, o senador José Agripino reagiu duramente: "Eu não vim aqui para ser advogado ou promotor da governadora Rosalba. Eu falo por mim". Diante deste posicionamento, ao ser instigado a dar uma nota para a administração da sua correligionária, Agripino disse que apenas em maio ou junho poderá avaliar numericamente, dando uma nota ao governo Rosalba Ciarlini.

A+ A-