'Se Congresso não aprovar reformas, ao menos vamos ter tentado', diz Eduardo Bolsonaro

Deputado afirmou que 'a esquerda vai tentar parar a todo momento as reformas, o crescimento econômico'.

Da redação, Estadão Conteúdo,
Felipe Rau
Sobre a relação com o Congresso, o deputado federal disse que o pai dele não tem compromissos com políticos tradicionais.

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL), filho do presidente eleito Jair Bolsonaro, admitiu nesta segunda-feira (3), em entrevista ao programa de A Hora da Verdade, da Radio Red da Colômbia, que se o Congresso não aprovar as reformas econômicas propostas pelo próximo governo, "ao menos vamos ter tentado".

"A esquerda vai tentar parar a todo o momento as reformas, o crescimento econômico. Se o Congresso não aprovar as reformas, ao menos vamos ter tentado. Temos de colocar as reformas adiante e comunicar os eleitores para que eles pressionem seus deputados para que eles as aprovem", disse Eduardo Bolsonaro ao entrevistador Fernando Londoño, ex-ministro do Interior e da Justiça do presidente Álvaro Uribe.

 Sobre a relação com o Congresso, o deputado federal disse que o pai dele não tem compromissos com políticos tradicionais. "Ele (presidente eleito) vai armar sua equipe de trabalho e não tem que conceder cargos a ninguém", disse.

O deputado, reeleito com a maior votação da História do Congresso brasileiro, disse que a mudança de governo no Brasil faz parte de uma onda de conservadorismo que vive a América do Sul.

"Seguramente, repito aqui o recado que deixei nos Estados Unidos. Não seremos mais socialistas, seremos um País conservador e liberal em termos econômicos", afirmou.

Após a visita aos EUA, Eduardo Bolsonaro está hoje na Colômbia, onde se encontra com o presidente do país, Iván Duque.

Tags: Eduardo Bolsonaro reformas econômicas
A+ A-