Policiais civis do RN aderem à paralisação nacional contra reforma da Previdência

Atendimentos serão restritos durante protesto da categoria nesta segunda-feira.

Rafael Araújo,
Divulgação/Polícia Civil
Central de Flagrantes localizada no complexo da Degepol vai realizar flagrantes e emitir boletins de ocorrência durante a paralisação.
Os policias civis do Rio Grande do Norte aderiram nesta segunda-feira (13), à paralisação nacional da categoria contra a reforma da Previdência. Segundo o presidente do sindicato dos Policiais Civis (Sinpol), Nilton Arruda, as delegacias ficarão fechadas, investigações paralisadas e não haverá cumprimento de mandados de prisão ou busca e apreensão durante todo o dia.

Apesar do fechamento das delegacias, a Central de Flagrantes, localizada dentro do complexo da Delegacia-Geral de Polícia Civil (Degepol) irá funcionar para atender as ocorrências e registrar boletins de ocorrências. Estes também podem ser feitos nesta segunda-feira na Central do Cidadão do shopping Via Direta.

Em contato com o portal Nominuto.com, a Polícia Civil, através da assessoria de comunicação, confirmou a adesão de policiais ao movimento, mas destacou que manifestação não terá participação de todo o efetivo e, em contraponto ao que disse o presidente do sindicato, revelou que algumas delegacias podem funcionar normalmente.

Ainda de acordo com Nilton Arruda, a paralisação dos policiais civis se faz necessária diante da possibilidade de retirada de direitos da categoria na proposta da reforma da Previdência – que está em discussão no Congresso Nacional.

O movimento é organizado pela União dos Policiais do Brasil (UPB), sendo composto por confederações, federações e sindicatos de vários estados. Aqui no Rio Grande do Norte, o sindicato vai promover atos de rua e um seminário sobre a reforma da Previdência com palestras do presidente do IPERN, Nereu Linhares, e do auditor fiscal Arnaldo Fiuza, que é representante da Frente Potiguar em Defesa da Previdência.

Tags: Polícia
A+ A-