Policiais civis deflagram greve por tempo indeterminado

Sindicato cobra do governo plano de reestruturação de carreiras e pagamento de salários em atraso.

Da redação,
Sinpol / Divulgação
Policiais civis decidiram em assembleia deflagrar greve para cobrar reestruturação de carreira, promoções e salários em atraso.
Policiais civis do Rio Grande do Norte decidiram que, a partir desta terça-feira (5) irão paralisar as atividades para deflagrar a Operação Zero e se concentrar na Central de Flagrantes. A categoria cobra uma nova proposta do Governo do Estado referente ao projeto de reestruturação de carreira, bem como as promoções atrasadas que não foram implantadas, previsão de pagamento dos salários atrasados e melhores condições de trabalho.

A diretoria do sindicato informa que foi chamada para uma reunião com o Governo na manhã desta segunda-feira (4), no entanto, não houve nenhum avanço. Com o movimento grevista do sindicato, a expectativa da categoria é de que nenhum procedimento seja realizado e todas as delegacias permaneçam fechadas. 

Em contato com o portal Nominuto.com, a assessoria de comunicação da Polícia Civil revelou que ainda está sendo feito um balanço para avaliar a possibilidade de abertura de delegacias durante o movimento grevista. Foi informado também que o sindicato já teria sido chamado para uma nova reunião com representantes do Governo.

A diretoria do sindicato informou hoje que foi chamada para uma reunião com o Governo na manhã desta ontem (4), no entanto, não houve nenhum avanço. “Infelizmente, chegamos às 8h30 no Centro Administrativo e saímos às 16h sem absolutamente nada. A equipe do Executivo abandonou, literalmente, a diretoria do sindicato em uma sala, por volta das 12h, e não retornou mais. Somente após termos ligado para cobrar um posicionamento nos foi dito que não havia previsão da possível proposta a ser apresentada”, explica Nilton Arruda, presidente do sindicato.

A diretoria então voltou para o Sinpol e repassou as informações aos Agentes e Escrivães. “Diante da insatisfação e do tratamento desrespeitoso que recebemos, ficou deliberado pelo início da Operação Zero”, completa o sindicalista.

Com a deflagração da Operação Zero, os Policiais Civis esperam ser recebidos pela governadora Fátima Bezerra e que ela coloque uma proposta na mesa. “Os rumos do nosso movimento dependerá do próprio Governo. O prazo assinado em um termo de compromisso no dia 23 de julho se venceu em 31 de outubro, então, agora é uma questão de vontade política”.

A diretoria do Sinpol disse ainda que os policiais civis vêm lutando por valorização pelo trabalho realizado no combate à insegurança. “Nós queremos que o Governo reconheça o esforço que temos feito diariamente, inclusive, por sermos um dos piores efetivos do Brasil, cobramos também a realização do concurso público”.

Com a Operação Zero nesta terça-feira, conforme a deliberação, os Policiais Civis do interior devem se concentrar nas delegacias regionais.

Tags: Polícia
A+ A-