Polícia prende trio suspeito de instalar “chupa-cabra” em Pipa

Dois cearenses e um paulista foram presos neste domingo com computador, celular e baterias.

Fred Carvalho,
Fred Carvalho
Material com trio apreendido estava dentro de pousada
A equipe da delegacia de Pipa, praia do litoral Sul potiguar, conseguiu desbaratar uma quadrilha que iria tentar aplicar golpes em clientes do Banco do Brasil. Os cearenses Davson Sampaio Coutinho e Raimundo Nonato Torres e o paulista Daniel Fernandes de Araújo foram presos na madrugada deste domingo (14) dentro de uma pousada. No local, os policiais apreenderam um note-book, um aparelho de telefone celular, baterias e varas fitas com dupla face.

Segundo o delegado de Pipa, o tenente PM Válber Moura, na noite de sábado um cliente do Banco do Brasil foi até o caixa-eletrônico existente na praia para efetuar uma transação. “Quando o usuário tentou retirar o cartão, um pedaço do equipamento veio junto. Ele acionou a polícia e nós, de imediato, fomos ao local e averiguamos que se trata de um chupa-cabra. Montamos campana para tentar identificar quem seriam as pessoas que poderiam ter instalado o equipamento. Recebemos uma denúncia dando conta que alguns rapazes, com bonés vermelhos, seriam suspeito. Conseguimos localizá-los e, após uma batida no quarto da pousada onde estavam, verificamos que seriam eles mesmo”, relatou o policial.

Levados para a delegacia, Raimundo Nonato e Daniel Fernandes não quiseram depor à polícia. No entanto, ainda de acordo com o tenente Moura, Davson Sampaio confessou que o trio havia chegado à Pipa no sábado e que pretendiam aplicar golpes com os dados coletados pelo chupa-cabra e pela câmera instalada no terminal bancário.

Os três foram autuados por estelionato e estão presos na delegacia de Tibau do Sul aguardando decisão da Justiça. O advogado Michel Sampaio, que defende o trio, disse que deve entrar ainda nesta segunda com pedido de pagamento de fiança. “Como a pena mínima prevista para esse tipo de caso é inferior a dois anos de reclusão, temos esse direito e vamos usá-lo. Ainda mais porque o crime não foi consumado, ou seja, eles não aplicaram golpe em ninguém”, falou.
A+ A-