Jovem baleada na cabeça aguarda vaga na UTI desde sábado

Secretaria de Saúde diz que aguarda disponibilidade de leito para transferir paciente em estado grave.

Rafael Araújo,
Acervo pessoal

A vendedora Renata Ranyelle Maciel de Almeida, de 23 anos, baleada na cabeça no último sábado (23) ainda está aguardando um leito na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital Tarcísio Maia, para onde foi transferida do hospital de São Miguel, cidade que ocorreu o crime. 

Através de nota, a secretaria de Saúde da Prefeitura de Mossoró  informou ter ciência da urgência do caso, mas disse ainda não ter vaga disponível na UTI do Hospital Regional Tarcísio Maia. Renata está em uma fila de espera para acomodação em um leito.

Confira a nota na íntegra:

A Prefeitura de Mossoró informa que tem ciência da urgência do caso da paciente vinda de São Miguel, distante cerca de 200 km do Município. O setor de regulação já atendeu a demanda e está viabilizando vaga para leito de UTI nos 52 disponíveis, sob a responsabilidade da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e Secretaria Estadual de Saúde (SESAP). É importante esclarecer que assim que for disponibilizada a vaga, a paciente será transferida imediatamente. O Município não tem autorização legal para informar a posição da lista, mas ratifica que está buscando os meios necessários para realizar a transferência.

O caso

A vendedora Renata Ranyelle Maciel de Almeida, de 23 anos, foi baleada neste sábado (23) dentro da loja em que trabalha no centro da cidade de São Miguel, na região Oeste do Estado.Baleada no rosto, a vítima foi levada para um hospital local em estado grave. E, em seguida foi encaminhada para o Hospital Regional de Pau dos Ferros. Por falta de estrutura nas duas unidades de saúde, ela foi transferida para o Hospital Regional Tarcísio Maia, em Mossoró. 

No Tarcísio Maia ela foi entubada, mas em estado grave aguardando surgir uma vaga na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Em contato com a imprensa mossoroense, a direção do hospital revelou que a gravidade do estado de saúde de Renata requer com urgência uma vaga na UTI do Hospital - que se encontra lotada. Atualmente ela está internada em uma ala que se assemelha a UTI, mas dentro do centro cirúrgico do hospital.

Apesar do caso ter sido tratado inicialmente como tentativa de latrocínio (roubo seguido de morte), há a desconfiança de crime de homicídio, isso porque em um vídeo gravado pelas câmeras de segurança da loja, é possível ver que o homem atira na vítima mesmo sem ela ter esboçado reação e depois de ter entregue o dinheiro do caixa.

No momento do crime, Renata estava na loja com colegas de trabalho. As outras vendedoras conseguiram correr, mas ela foi pega pelo braço pelo criminoso e obrigada a abrir o caixa da loja.


Câmara de segurança registra momento do crime:


Tags: Polícia
A+ A-