Exclusivo: aspirante da PM é acusado de agredir menino de 14 anos

Vídeo mostra policial descontrolado e ameaçando crianças que brincavam em uma área de lazer de condomínio no Barro Vermelho.

Thyago Macedo,
Reprodução
Nas imagens, Thales é flagrado dando um tapa em um dos meninos.
O aspirante da Polícia Militar Thales Eduardo da Silva Barros, de 26 anos, está sendo acusado de agredir um menino de apenas 14 anos. O Nominuto.com teve acesso a um vídeo em que o policial aparece exaltado e ameaçando várias crianças que brincavam em uma área de lazer de um condominio, no Barro Vermelho. Nas imagens, Thales é flagrado dando um tapa em um dos meninos.

No entanto, de acordo com o pai da criança, o policial foi mais além e deu uma "voadora" em seu filho. Thales aparece nas imagens vestindo uma camisa preta com mangas azul. Depois da "voadora", ele é contido por um amigo. O servidor publico Flavio Henrique Leal, pai da vítima, conta que o incidente aconteceu no dia 20 de março.

Naquele dia, o aspirante participava de uma confraternização com amigos na área social do condomínio Atalanta, desde o início da tarde. À noite, exatamente, as 19h55, conforme imagens do sistema de vigilância do prédio, um grupo de crianças que jogava bola na quadra passa pelo policial e vai até o bebedouro da área de lazer.

Um dos meninos quebrou um cano, que passou a jorrar água. Mesmo distante do bebedouro, Thales Eduardo percebeu o vazemento e a partir daí, teria começado a coagir as crianças. "Ele agradeiu verbalmente vários meninos que estavam no local, inclusive, crianças de sete anos. Não vou repetir aqui as palavras que usou, mas, temos várias testemunhas que ouviram", relata Flávio Leal.

Confira vídeo



Minutos depois, por volta das 19h58, o filho de Flávio, o menino de 14 anos, chega a área de lazer e também foi coagido. Pelas imagens, o policial Thales parte pra cima da criança e começa a discutir com ela. Em determinado momento, ele dá um tapa no menino, que com medo tentar sair de perto.

"Depois disso, meu filho saiu de perto, mas, ele correu e deu uma voadora. Infelizmente, o local em que ele fez isso estava fora do campo de visão da câmera. Porém, todo mundo viu", disse o servidor público.

Flávio Leal destacou que seu filho nem mesmo sabia o que tinha acontecido. "Ele chegou depois que o cano foi quebrado, nem sabia o que estava acontecendo. A minha indignação é com a covardia desse homem. Se ele não tivesse sido contido, o que poderia ter feito com meu filho?", indaga.

No mesmo dia em que o menino de 14 anos foi agredido, o pai registrou o Boletim de Ocorrência de número 1317, no 3º Distrito Policial. Além disso, o Oficial de Dia do 4º Batalhão da Polícia Militar, onde o aspirante está lotado, também foi informado. "Nós temos ainda o exame de corpo delito [06.1.690.03/10] feito no Itep que comprova a agressão".

O servidor público informou ao Nominuto.com que também procurou a Corregedoria da Polícia para abrir processo contra o aspirante. "Nós temos que cortar o mal pela raiz. Se existe um código de ética de conduta do militar, a gente quer que ele se enquadre. Se esse polical fez isso com uma criança, o que não faz com um adulto, quando está fardado", afirma Flávio Leal.

Além do processo na Corregedoria, o policial Thales também responderá a processo criminal por lesão corporal contra menor. Nesse caso, inclusive, uma audiência já está marcada no 3º Distrito Policial, onde o caso foi registrado, no próximo dia 20.

"Depois desse incidente, ele já veio me procurar quatro vezes, mas, não quero encontrar com ele. Tenho três filhos e esse agredido é o mais novo e também o mais tranquilo de todos. Ele ficou muito assustado com tudo isso e ainda sente quando falamos no assunto. O problema maior para todas essas crianças que estavam no local não é a agressão física, mas, a psicologica", frisa o pai do menino de 14 anos.

A+ A-