Mourão diz que governo tem que lançar 'pontes' e conversar com Maia

Comentário foi feito em entrevista à Rádio Gaúcha nesta sexta-feira.

Da redação,
Após novo mal-estar entre Planalto e o Congresso, o presidente da República em Exercício, Hamilton Mourão, falou nesta sexta-feira (22) que compete ao governo lançar "pontes" e conversar com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

O comentário foi feito em entrevista à Rádio Gaúcha, após Mourão ter sido confrontado com a informação de que Maia teria ficado irritado com publicação feita por um dos filhos do presidente da República, o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ). Mourão ressaltou que "rede social não tem a ver com a opinião do Executivo".

"Eu vi a respeito disso (publicação de Carlos) agora cedo, mas não vi o teor completo da mensagem. Mas, se por acaso o presidente Rodrigo ficou incomodado com isso, compete a nós do governo lançarmos as pontes e conversarmos com ele. Lembrar que rede social não tem nada a ver com a opinião que todos nós, do Executivo, temos sobre ele como presidente de uma das casas do Legislativo. Eu considero, particularmente, um apoiador incondicional das principais ideias que nós temos, e conto, assim como todos nós do governo, com o apoio dele", disse o presidente interino.

Na quinta-feira, Carlos publicou em sua conta no Instagram que Rodrigo Maia andava "nervoso", em virtude da declaração de Maia de que o ministro da Justiça, Sergio Moro, "conhece pouco de política" e que não é mais que um "funcionário do presidente Bolsonaro". Nesta sexta, Maia disse ao BR18 que cabe ao governo conseguir os votos necessários para a aprovação da reforma da Previdência e que ele possui um papel "institucional".

Ao ser questionado se as falas dos filhos do presidente em redes sociais dificulta a vida do governo, Mourão afirmou que é uma "adaptação". "Eu não dou bola para rede social. Porque se for dar bola para rede social a gente não faz outra coisa. Temos de ter foco e nos concentrar em nosso trabalho. Buscar ter a resiliência necessária para implementar as reformas que o país precisa e olhar menos para essa questão de rede social."

Sobre a atuação do governo em redes sociais, Mourão disse que entre os membros do "primeiro escalão" todos buscam manter uma posição "bem equilibrada" a respeito da reforma da Previdência. 

"Junto com o ministro Paulo Guedes, eu e ele, temos mantido esse foco (reforma da Previdência) em todos os lugares em que estamos falando sobre isso. Consideramos que é preciso ter a perseverança necessária e a paciência para levar esse assunto e convencer o conjunto, não só da população, como do parlamento, da necessidade dessa reforma. Agora é óbvio que, de vez em quando, ocorrem esses ruídos que causam algum estranhamento."

Na quinta, Mourão disse que a preocupação é "total" com a base de apoio à reforma da Previdência do governo Jair Bolsonaro no Congresso. Ele foi questionado sobre levantamento feito pelo Estado, que mostra que há 180 deputados dispostos a aprovar a proposta, desde que sejam feitas mudanças no texto final. Desse total, apenas 61 votariam a favor da proposta sem sugerir alterações. "A preocupação é total e nós vamos ter que trabalhar no Congresso. É conquista de corações e mentes", afirmou na ocasião.

Tags: Poder
A+ A-