Itamaraty recebe aval dos EUA para Eduardo assumir embaixada em Washington

Presidente deve formalizar decisão no Diário Oficial da União e encaminhar o nome ao Senado.

Da redação, Estadão Conteúdo,
Joshua Roberts/Reuters
Eduardo passará por sabatina na Comissão de Relações Exteriores do Senado e precisa seu nome aprovado em votação secreta.
O Ministério das Relações Exteriores recebeu o aval oficial dos Estados Unidos para que o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL), filho do presidente Jair Bolsonaro, seja embaixador do Brasil em Washington. A assessoria do Itamaraty confirmou que o ministério recebeu a resposta dos EUA ao chamado pedido de 'agrément' do governo brasileiro.

Agora, o presidente Jair Bolsonaro poderá formalizar a indicação no Diário Oficial da União (DOU) e encaminhar o nome ao Senado, que precisa aprovar Eduardo Bolsonaro para a embaixada. Bolsonaro já disse que só estava esperando a resposta dos Estados Unidos para encaminhar o nome do filho ao senadores.
Eduardo passará por sabatina na Comissão de Relações Exteriores do Senado e precisa seu nome aprovado em votação secreta no colegiado e no plenário da Casa. Só então é que poderá ser oficialmente designado para assumir a representação diplomática.
Bolsonaro diz que tem ‘certeza’  que Senado vai aprovar nome do filho

Na semana passada, Bolsonaro disse acreditar na aprovação do nome de Eduardo no Senado. “Temos certeza de que, caso o Senado aprove essa ida para lá, os nossos laços comerciais serão fortalecidos”, afirmou. “O Senado vai decidir. Tenho certeza de que o Senado vai aprovar”, declarou o presidente.

A indicação de Eduardo como embaixador do Brasil nos Estados Unidos pode quebrar uma tradição dentro do Itamaraty, desde a redemocratização, de ter na embaixada em Washington sempre um diplomata de carreira. Em entrevistas, dois ex-ocupantes do cargo criticaram a nomeação. O ex-ministro da Fazenda Rubens Ricupero disse que não havia “precedentes em países civilizados”, enquanto o também ex-ministro Marcílio Marques Moreira disse esperar que a nomeação “fosse repensada”. 


Tags: aval dos EUA Eduardo Bolsonaro embaixada em Washington
A+ A-