Contra reforma da Previdência, manifestantes caminham pela avenida Salgado Filho

Diretor financeiro da CUT, José Teixeira, diz que proposta é ‘um desmonte do serviço público’.

Rafael Araújo,
Rafael Araújo/Nominuto
Sindicalistas seguem em caminhada pela avenida Salgado Filho em protesto contra a reforma da Previdência.

O protesto contra a reforma da Previdência, organizado pelas centrais sindicais, na tarde desta sexta-feira (14) segue com os manifestantes caminhando pela avenida Salgado Filho, em direção à BR1-10. O ato teve início às 16h, nas proximidades do Midway Mall.

Alguns serviços não funcionaram ou tiveram o atendimento reduzido em virtude da ação. Trabalhadores dos transportes, da educação e de bancos decidiram aderir à paralisação.

O diretor financeiro da Central Única dos Trabalhadores (CUT), José Teixeira da Silva, participa da caminhada e disse que nem mesmo a chuva inibiu a ação popular.

DiretordaCUTRNJoseTeixeira

“O povo hoje veio para rua com um objetivo. O povo veio hoje para a rua, nem a chuva impediu. Desde as duas horas da manhã nós estamos nas trincheiras, nos enfrentamentos, lutando contra a maldita reforma da previdência. Que não é apenas uma reforma, é um desmonte do serviço público”, declarou.

Para o sindicalista, os servidores públicos serão os principais prejudicados com as mudanças propostas pelo governo Bolsonaro e que tramitam no Congresso Nacional. “É falsa a informação de que tem privilegiados no regime geral. O que querem com a Previdência é desmontá-la”, disse Teixeira.

Tags: protestos Reforma da Previdência
A+ A-