Com Eduardo em Washington, governo espera filho de Trump como embaixador no Brasil

Avaliação é de que EUA podem mandar Eric Trump, alguém 'com o mesmo perfil', o que ajudaria a estreitar as relações entre os dois países.

Da redação, Estadão Conteúdo,
Alan Santos/PR
Encontro do presidente dos EUA, Donald Trump, com Jair Bolsonaro e o filho Eduardo Bolsonaro na Casa Branca em março deste ano.

O governo brasileiro considera que o presidente Donald Trump poderá designar um de seus cinco filhos, Eric, para assumir a Embaixada dos Estados Unidos no Brasil. A avaliação é que, ao indicar um dos filhos do presidente Jair Bolsonaro, Eduardo, para a Embaixada do Brasil nos EUA, os americanos enviariam alguém "com o mesmo perfil", o que ajudaria a estreitar as relações entre os dois países.

Segundo um interlocutor do governo, a indicação política seria "um sinal de prestígio sem igual", pois considera que os americanos costumam fazer esse tipo de indicação para países como Rússia, China, Reino Unido, Canadá, Israel, Polônia e Hungria. O Brasil, por sua vez, não possui tradição de fazer indicações políticas, especialmente para a Embaixada nos EUA, que é uma das mais disputadas no meio diplomático. "Além da importância de abrir portas, há o fator compreensão do momento político dos dois países", disse uma fonte.

Também existe o entendimento de que como o Brasil não tem essa tradição de fazer esse tipo de indicação e é mais difícil para o País emplacar um nome político, "o ônus está sobre nós", o que poderia influenciar a decisão dos americanos. Governistas também alegam que os americanos já teriam deixaram claro qual é o perfil que buscam para a troca de nomeações políticas para as embaixadas.

Depois de avisar há meses que trocaria o embaixador do Brasil nos Estados Unidos, o presidente Jair Bolsonaro anunciou ontem a intenção de indicar o próprio filho, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), para o posto diplomático mais importante e mais disputado não apenas no Brasil, mas em praticamente todos os países, a embaixada em Washington. Eduardo é presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara.

Eric Trump é um dos responsáveis por cuidar das empresas do pai. Caso mudasse para o Brasil, teria que abandonar não só o seu país como também os negócios da família. Além disso,  a troca seria pouco equilibrada devido ao papel menos relevante que o Brasil tem para a diplomacia dos EUA.

Trump já voltou atrás da ideia de indicar uma de suas filhas, Ivanka, para o comando do Banco Mundial. Ele também disse, em entrevista, que a filha seria uma boa opção como embaixadora da ONU, o que também não vingou.

Tags: Eduardo Bolsonaro embaixada em Washington Mundo
A+ A-