Bolsonaro insinua que Wyllys vendeu mandato e o chama de 'menina'

Presidente deu declaração durante uma entrevista em Guaratinguetá, onde cumpria agenda pública.

Da redação, Estadão Conteúdo,
Reprodução

Jair Bolsonaro usou uma entrevista durante agenda pública em Guaratinguetá para, numa curta declaração em defesa de Sérgio Moro, insinuar que as acusações contra ele fariam parte de uma trama engendrada pelo jornalista Glenn Greenwald e seu marido, o deputado federal David Miranda, difundindo uma tese sem nenhuma evidência, que circula há meses nas redes sociais, segundo a qual o deputado do PSOL teria comprado o mandato de Jean Wyllys e, em troca, lhe pagaria uma espécie de mesada.

Além disso, chamou o ex-deputado, que hoje vive no exterior, de “a outra menina lá”. “Não vi nada de anormal até agora”, disse, sobre os vazamentos das conversas envolvendo Moro e integrantes da Lava Jato, ao dizer que o manterá no cargo por ser um “patrimônio nacional”.

“Esse pessoal daquele casal né, aquele casal lá, um deles esteve detido na Inglaterra há pouco tempo por espionagem, o outro aqui tem suspeita de vender o mandato, e a outra menina, namorada de outro, que tá lá fora do Brasil. É uma trama”, afirmou, com ar irônico, ao lado dos generais Otávio do Rêgo Barros, porta-voz da Presidência, e Augusto Heleno, chefe do Gabinete de Segurança Institucional.

Tags: Jair Bolsonaro Jean Wyllys venda de mandato
A+ A-