Adão Eridan culpa Direitos Humanos por insegurança na capital

Para o parlamentar, ao "defender bandidos" o DH contribui para o aumento da violência na cidade.

Isabela Santos,
Vlademir Alexandre
Vereador participa, mas critica audiência pública sobre segurança na CMN.
O vereador natalense Adão Eridan (PR) defendeu a redução da maioridade penal durante uma audiência pública sobre a Segurança, na manhã desta quinta-feira (12) na Câmara Municipal. Eridan chegou a criticar a realização do evento, que segundo ele "não resolve nada", o que provocou insatisfação nos demais parlamentares.

Adão argumentou que se aos 16 anos se pode escolher o presidente da República, quem tem esta idade é consciente ao infringir as leis. "Tem gente que pinta e borda; assalta, estupra, mata e fica por isto mesmo", disse ao mesmo tempo em que culpou os Direitos Humanos por defender criminosos.

O peemidebista Luís Carlos refutou a fala do representante do PR. "Eu discordo do vereador, quando diz que quem defende os direitos humanos e o direito à vida, defende bandidos. E não concordo quando diz que a audiência não resolve nada; temos provocado o Ministério Público, cobrado ações por parte da assistência social e da polícia nas ruas", falou.

Para Hermano Morais, também do PMDB, existem deficiências na legislação e "se a pena é branda deve haver uma reforma penal", mas discordou de Adão  Eridan e pediu que não confunda direitos humanos com impunidade.

Esta é a terceira audiência pública realizada, só nessa semana, na Câmara Municipal de Natal. As duas primeiras trataram de questões relacionadas à Saúde e à Educação.

 

A+ A-