Carlos Guedes é empossado para a Semut e promete otimização da pasta

Ex-controlador do BID diz que objetivo inicial é trabalhar no combate à sonegação.

Júlio Pinheiro,
Fotos: Elpídio Júnior
O novo secretário municipal de Tributação, Carlos Guedes, foi empossado, na tarde desta quarta-feira (7), pela prefeita Micarla de Sousa (PV). O engenheiro chega a Natal por indicação do secretário de Planejamento Augusto Viveiros, que conheceu em Brasília o então controlador do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). A meta da Semut, segundo o gestor, é otimizar a pasta e combater a corrupção.

Já indicado como secretário desde o primeiro anúncio oficial da prefeita Micarla de Sousa, Carlos Guedes não pôde ser empossado anteriormente devido a compromissos que ainda estavam pendentes em Brasília. “Voltei de Washington porque me aposentei no BID e, quando pensava que ia ficar em Brasília descansando, veio o desafio de Natal. Mal tive tempo de me organizar”, explicou Guedes.

Como metas para a pasta, o novo secretário de Tributação tem a intenção de otimizar a análise de dados da pasta, buscando o cruzamento de informações com o objetivo principal de combater a sonegação e, consequentemente, aumentar a arrecadação do município.

De acordo com Carlos Guedes, o imposto mais comum de se sonegar no país é o cobrado sobre os serviços (ISS), que pode gerar uma grande arrecadação aos municípios. Contudo, diz que ainda não há dados acerca do quanto é sonegado deste imposto em Natal. Já o IPTU, Carlos Guedes diz que os dados são preocupantes.

“A inadimplência do IPTU em Natal chega a 35% por ano, em média. É um dado extremamente alto e bastante preocupante”, disse o secretário.

O secretário-adjunto da Semut, André Macedo, explicou que a Prefeitura do Natal vem buscando trazer boas novidades e exemplos de outras prefeituras do país, principalmente em São Paulo.

“O ex-secretário de Tributação de São Paulo capital, Mauro Ricardo, falou conosco e mostrou como a cidade conseguiu reduzir a sonegação para 5%. Temos que trabalhar com esses novos exemplos, promovendo o treinamento do pessoal, a fiscalização eletrônica e tudo o que possa colaborar para a diminuição da arrecadação”, disse André Macedo.
A+ A-