Não quero guerra com ninguém, diz Trump sobre ataques na Arábia Saudita

No domingo, presidente americano havia dito que os EUA estão preparados para ação militar.

Da redação, Estadão Conteúdo,
Kevin Dietsch
Donald Trum afirmou hoje que “parece” que o Irã é responsável pelo ataque, mas o governo americano precisa obter mais provas.

Depois de dizer que os Estados Unidos estavam “armados e carregados” (“locked and loaded”) para retaliar com uma ação militar os ataques contra o maior centro produtor de petróleo do mundo, na Arábia Saudita, o presidente americano, Donald Trump, afirmou nesta segunda-feira (16) que “parece” que o Irã é responsável pelo ataque, mas o governo americano precisa obter mais provas.

“Queremos determinar com certeza quem fez isso”, afirmou Trump, assegurando apoio à Arábia Saudita. No entanto, o presidente americano disse que gostaria de evitar uma guerra com o Irã. “Não quero guerra com ninguém.”

O governo americano divulgou fotografias de satélite mostrando ao menos 17 pontos de impacto em várias instalações de energia da Arábia Saudita. O ataque de drones fez cair em 50% a produção do reino. 

Os ataques contra os sauditas vieram do norte ou noroeste do país, o que indicaria que os drones e mísseis vieram da direção do norte do Golfo Pérsico, Irã ou Iraque, e não do Iêmen, onde a milícia houthi apoiada pelo Irã, que assumiu a responsabilidade pelos ataques, opera.

ataques-H

Autoridades do governo, em um briefing para repórteres e também em entrevistas separadas no domingo, disseram que uma combinação de drones e mísseis de cruzeiro - "muitos deles", poderia ter sido usada. Isso indicaria um grau de ataque, precisão e sofisticação além da capacidade dos rebeldes houthis sozinhos.

Ao comentar algumas das imagens divulgadas pela CNN, analistas militares disseram que elas podem ajudar a apoiar o argumento de Washington, mas ponderaram que não são definitivas. “Essas imagens não mostram outra coisa a não ser a precisão do ataque contra os tanques de petróleo. Mas não há nada nelas que confirme que o lançamento tenha partido de uma localização em particular”, disse o general Mark Hertling.

Trump não citou diretamente o Irã em seu comentário no Twitter no domingo, mas autoridades americanas confirmaram ao jornal New York Times que os relatórios de inteligência indicam os iranianos como os prováveis culpados pelos ataques a importantes instalações petrolíferas da Arábia Saudita no fim de semana.

"O fornecimento de petróleo da Arábia Saudita foi atacado", disse ele em um tuíte na noite de domingo. “Há razões para acreditar que conhecemos o culpado, estamos armados e carregados (locked and loaded) dependendo apenas da verificação, mas estamos aguardando notícias do Reino sobre quem eles acreditam que provocou esse ataque e em que termos procederíamos!”

EUA acusam Irã por ataque contra Arábia Saudita 

O secretário de Estado Mike Pompeo disse no sábado que o Irã está por trás do que ele chamou de "um ataque sem precedentes ao suprimento de energia do mundo" e afirmou que "não há evidências de que os ataques vieram do Iêmen". Ele não disse, no entanto, de onde eles vieram, e os sauditas se abstiveram de culpar diretamente o Irã.

A insistência do governo americano de que os iranianos tiveram um papel direto no ataque marcou uma escalada significativa em meses de tensões entre os Estados Unidos e o Irã. Levantou questões sobre como Washington poderia retaliar - e por que o Irã estaria arriscando tal confronto.

O aviso de Trump ecoou os alertas que ele fez em junho, depois que o Irã derrubou um avião de vigilância americano. Ele disse então que os militares estava "armados e carregados" para um ataque contra o Irã.

ataques-Arábia-H

Ele disse que interrompeu a ordem de ataque com 10 minutos de antecedência quando um general lhe disse que 150 pessoas provavelmente morreriam, o que, segundo ele, seria desproporcional.

Autoridades do governo disseram no domingo que procurariam divulgar mais informações para apoiar seu caso contra o Irã nos próximos dias. As fotografias de satélite divulgadas no domingo não pareciam tão nítidas quanto as autoridades sugeriram, com algumas parecendo mostrar danos no lado oeste das instalações, não na direção do Irã ou do Iraque, segundo analistas.

As autoridades americanas disseram que mais de 17 armas foram direcionadas às instalações sauditas, mas nem todas atingiram seus objetivos. As análises forenses das armas recuperadas poderiam responder à perguntas sobre quais eram, quem as fabricou e quem as lançou.

O Irã rejeitou a acusação de Pompeo no domingo, com o ministro das Relações Exteriores descartando-a como "máximo de engano". O escritório do primeiro-ministro iraquiano, Adel Abdul-Mahdi, também rejeitou qualquer sugestão de que agentes iranianos teriam realizado o ataque do território iraquiano, dizendo que o Iraque agiria firmemente se seu território fosse usado para atacar outros países.

Tags: Arábia Saudita ataques Donald Trump
A+ A-