José Agripino nega maior aproximação entre DEM e PMDB

Mesmo tendo proferido discurso de homenagem ontem ao senador Garibaldi Alves, ele garante que, em termos políticos, nada mudou.

Luana Ferreira,
Agência Senado
José Agripino (foto) e Garibaldi Alves disputarão reeleição ao Senado em 2010.
O senador José Agripino (DEM) negou que o seu partido e o do senador Garibaldi Alves (PMDB) caminhem num movimento de aproximação em relação às eleições de 2010.

Mesmo depois de proferir um discurso de homenagem ao colega potiguar, dizendo que Garibaldi "honrou o povo do Rio Grande do Norte", José Agripino assegurou que o vínculo entre o partido “não é maior nem menor” que antes.

“Temos uma relação política robusta e pessoal muito cordial com ele”, comentou o democrata, repetindo que havia lamentado a retirada da candidatura de Garibaldi, que concorreria à reeleição.

Garibaldi deixou ontem (02) a presidência do Senado para dar lugar ao ex-presidente da República José Sarney (PMDB), após uma disputa acirrada com o senador Tião Viana (PT).

Para José Agripino, a falta de questionamentos jurídicos em relação à candidatura de Sarney possibilitou o voto em bloco do DEM, o que poderia não ter acontecido caso o candidato fosse o potiguar, já que o Supremo Tribunal Federal (STF) ainda estava decidindo se significaria reeleição ou não.

Em 2010, os dois senadores devem disputar as duas cadeiras reservadas ao RN no Senado com a governadora Wilma de Faria (PSB).  Wilma de Faria e Garibaldi Alves ensaiaram uma aliança efêmera durante as eleições municipais de 2008, mas parecem ter rompido definitivamente.

Comissões
O DEM terá direito a duas presidências de Comissões – entre elas a de Constituição, Justiça e Cidadania, considerada a mais importante, e mais duas vice-presidências. O senador se mostrou satisfeito com as nomeações. “Vamos ter o espaço que nossa representatividade pede”.
A+ A-