“O reajuste salarial ainda não está aprovado”, afirma Salatiel

O vereador esclareceu que o projeto que concede aumento de até 105% no salário do prefeito “passou apenas em primeira discussão”.

Delma Lopes,
Arquivo
Salatiel de Souza afirma que projeto que prevê reajuste salarial ainda não foi aprovado.
O feriado do Dia do Servidor Público adiou a reunião da Comissão de Justiça, Legislação e Redação Final, onde tramita o projeto que prevê os reajustes salariais para o prefeito, vice-prefeito, secretários municipais, vereadores e procuradores. Como as reuniões só ocorrem nas segundas-feiras ficou para a próxima semana, “a não ser que o presidente convoque uma extraordinária”, informa Salatiel de Souza.

Existe essa possibilidade, mas o vereador disse que “não há necessidade de urgência” na aprovação do projeto. Os parlamentares têm até o dia 15 de dezembro para isso.

Durante sessão na semana passada, o vereador Hermano Morais (PMDB) chegou sugerir que a nova prefeita, Micarla de Sousa (PV) fosse ouvida, “já que ela é quem receberia esse salário”. Mas Salatiel tem outra opinião: “tem que ouvir a opinião de Carlos Eduardo, pois até 31 de dezembro ele é o prefeito e, talvez é quem poderá sancionar o projeto”.

Caso haja o veto do prefeito, a Câmara manterá ou derrubará e, “se ele não quiser sancionar a Câmara promulga”.

Além de ter apresentado uma proposta substitutiva com outros valores para o reajuste, Salatiel de Souza (PSB) informou a reportagem do Nominuto.com que vai sugerir aos procuradores da Casa que apresentem quais os parâmetros usados para definir os valores, “e acabar com as polêmicas”.

O vereador lembra que a proposta se trata de “um limite”, ou seja, não significa que o reajuste será aplicado logo que a nova prefeita tomar posse, “o salário pode chegar a vinte mil, não pode passar”, esclarece. “Além disso, se for fazer as contas, de acordo com a inflação do período ultrapassará os trinta mil reais”.
A+ A-