Wilma rebate Robinson em missa de Ação de Graças

Ao final da missa, Wilma discursou pedindo a Deus capacidade de perdoar aqueles que passam por momentos truculentos e de desespero.

Andréia Freitas,
Elpídio Júnior
Wilma: sutileza na resposta a Robinson.
A governadora Wilma de Faria aproveitou o discurso de encerramento na missa de Ação de Graças ao seu aniversário, realizada nesta segunda-feira (16), na igreja Nossa Senhora da Apresentação, para desabafar sobre as dificuldades e obstáculos que um administrador encontra diariamente para poder desenvolver uma boa gestão, além de deixar bem claro, que não gostou nem um pouco da resposta do deputado Robinson Faria a leitura da sua Mensagem Anual, realizada horas antes, na Assembléia Legislativa.

“Peço a Deus paciência, sabedoria e, principalmente, capacidade em tolerar e perdoar aqueles que você tem certeza que passam momentos de truculência e desespero, e aí acabam desabafando suas insatisfações”, disse a governadora em um tom não muito satisfeito.

O deputado Robinson Faria, que esteva presente a missa e escutou o discurso da governadora, deixou a chefe do Executivo bastante chateada logo após respondê-la sobre as críticas feitas por ela durante a leitura da mensagem.

“Deixo um alerta a toda a Assembléia Legislativa. As mudanças na proposta orçamentária encaminhada por nossa administração desconfiguraram o planejamento do Executivo em áreas essenciais e estratégicas. Encaminharemos em regime de urgência-urgentíssima, um projeto de lei com ajustes ao texto final aprovado em dezembro”, ressaltou a governadora.

Robinson não gostou e finalizou a sessão solene afirmando que as insatisfações não deveriam estar presentes no discurso da Chefe do Executivo e que não foi enviado nenhum pedido de correção do texto.

“O orçamento é uma peça discutida durante vários meses na Casa. A discussão sobre o tema deveria ter sido feita em outro local. Fui obrigado a falar porque a Assembléia sempre foi parceira da governadora, mas isso não quer dizer que não possamos conversar mais a frente”, afirmou Robinson.
A+ A-