Governo de Boris Johnson perde maioria no Parlamento britânico

Primeiro-ministro instou o Parlamento a rejeitar proposta de lei que defende o adiamento do Brexit.

Da redação, Agência Brasil,
Dylan Martinez/Reuters
Primeiro-ministro inglês, Boris Johnson defende a saída do Reino Unido da União Europeia com ou sem acordo.

O Governo britânico perdeu maioria no Parlamento depois de o deputado Phillip Lee abandonar os Conservadores e se juntar aos Liberais Democratas. Em seu discurso no Parlamento britânico, Boris Johnson continua a defender a saída do Reino Unido da União Europeia em 31 de outubro "sem acordo, se for preciso" e reitera que não quer eleições antecipadas. O primeiro-ministro britânico instou o Parlamento a rejeitar a proposta de lei que defende o adiamento do Brexit e que será votada nesta terça-feira (3).

O político britânico trocou de bancada enquanto o primeiro-ministro discursava, durante reunião no Parlamento que decide o adiamento da saída do Reino Unido da União Europeia.

A saída de Phillip Lee para os Liberais Democratas resulta numa perda de maioria do Governo de Boris Johnson, dado que a vantagem dos Conservadores era de apenas um deputado em relação à oposição. Este cenário coloca o Reino Unido mais perto da possibilidade de eleições.

Na sua conta do Twitter, Phillip Lee deixou um comunicado sobre sua saída: "Após muita reflexão, cheguei à conclusão de que não é mais possível servir aos melhores interesses dos meus eleitores e do país como membro Conservador do Parlamento".

Numa carta endereçada ao primeiro-ministro britânico, o deputado argumenta que o Governo de Boris Johnson "procura agressivamente um Brexit prejudicial e de uma forma sem princípios. Coloca vidas e meios de subsistência em risco desnecessariamente e coloca em risco a integridade do Reino Unido. De forma mais generalizada, prejudica a economia, a democracia e o papel do nosso país no mundo, usando manipulação política, intimidação e mentiras".

“Estou desolado com o que o Partido Conservador se tornou, com o papel que desempenhou no setor da alimentação e no populismo, no desperdício de uma reputação duramente conquistada por uma boa administração, e na direção em que colocou o nosso país. Esses não são os meus valores. Não vou tolerar implicitamente estas coisas ao fazer parte delas”, continuou a argumentar o deputado.

Por sua vez, Phillip Lee considera que os Liberais Democratas "constroem a força política unificadora e inspiradora necessária para curar as nossas divisões, estimular os nossos talentos, preparar-nos para aproveitar as oportunidades e superar as dificuldades, desafios que enfrentamos como sociedade - e deixar o nosso país e mundo em melhores condições para as próximas gerações".

O deputado, em entrevista à Sky News, deixa em aberto a possibilidade de mais conservadores seguirem o seu exemplo.

"Eu não acho que todos os Conservadores estarão sentados do lado dos Conservadores após a próxima eleição", disse Phillip Lee ao canal televisivo norte-americano. "Nós todos entramos na política para fazer uma diferença positiva e eu acho que vários colegas querem continuar fazendo essa diferença positiva. Eu concluí que fazer isso no Partido Conservador não funciona para mim", continuou.

"Nunca me renderei"

Assobios e gargalhadas foram ouvidos no Parlamento no momento em que Boris Johnson discursou.

O primeiro-ministro britânico manteve sua posição de defesa de uma saída do Reino Unido a 31 de outubro, "aconteça o que acontecer" e "sem acordo, se for preciso".

No seguimento do seu discurso na segunda-feira, Boris Johnson disse estar "confiante" na chegada a um acordo para a saída do Reino Unido da União Europeia e falou em "progresso" nas negociações com Bruxelas.

Johnson também argumentou que o projeto de lei, que será votado nesta terça-feira sobre o adiamento da saída do Reino Unido, poderá "destruir as negociações".

"Querem minar-nos, querem forçar-nos a implorar por outro adiamento inútil. Se isso acontecer, todo o progresso que fizemos não vale nada", defendeu o primeiro-ministro britânico. “Insto a Câmara a rejeitar esta proposta de lei”, afirmou Boris Johnson.

Caso o Parlamento vote favoravelmente nesta moção, Boris Johnson declarou que seria obrigado a "ir a Bruxelas implorar por um adiamento". O primeiro-ministro acrescentou que em "nenhuma circunstância" aceitará essa proposta e deixa uma mensagem clara: “Nunca me renderei e entregarei o controle das negociações da forma que o líder da oposição está pedindo”.

“Prometemos que iríamos cumprir o resultado do referendo e é o que iremos fazer. Não haverá outro adiamento inútil”, acrescentou. “Aprovar esta moção seria mostrar uma bandeira branca”, argumentou o primeiro-ministro.

No entanto, Boris Johnson mais tarde ressaltou que "obedecerá à lei" caso a proposta que pretende bloquear uma saída sem acordo seja aprovada.

"Não quero eleições"

Num cenário de aprovação do projeto de lei apresentado pelos partidos da oposição e pelos "rebeldes" conservadores, podem ser convocadas eleições antecipadas. Boris Johnson já tinha dito na segunda-feira e nesta terça-feira voltou a reiterar: "Não quero uma eleição. Nós não queremos uma eleição e não me parece que ele [Jeremy Corbyn] queira uma eleção".

"Já chega. O país quer que o Brexit seja executado", sublinhou Johnson.

O fantasma de eleições antecipadas continua, no entanto, a pairar, com fontes do Governo do Reino Unido dizendo que serão convocadas eleições em 14 de outubro, caso o projeto de lei seja aprovado.

As mesmas fontes indicam que, para que ocorram as eleições, é necessário que a legislação tenha, nesta terça-feira, o aval de pelo menos dois terços do Parlamento.

"Governo de covardia"

Jeremy Corbyn, líder da oposição, também discursou no Parlamento e respondeu ao primeiro-ministro, acusando o Governo de Johnson de ser um "governo de covardia".

“Este Governo está a esconder-se do escrutínio, do povo e está a esconder-nos as suas verdadeiras intenções. Este não é apenas um Governo do caos, é um Governo de covardia”, declarou Jeremy Corbyn.

O líder do Partido Trabalhista pediu ainda a Boris Johnson que "reflita" sobre as suas palavras, dirigindo-se à expressão de "lei de rendição de Jeremy Corbyn" utilizada por Johnson relativamente à moção.

"Não é uma rendição porque não estamos em guerra com a UE”, disse Corbyn. “A rendição será se tivermos uma saída sem acordo e pusermos em causa a nossa indústria e os nossos empregos".

Debate autorizado

O presidente da Câmara dos Comuns, John Bercow, perguntou se existia apoio na Câmara para que fosse discutida a moção que pretende travar um Brexit sem acordo. Alguns deputados gritaram "não" mas foram mais aqueles que se levantaram das cadeiras em sinal de aprovação.

Bercow considerou existir uma vantagem "clara" e deu luz verde para um debate de emergência do projeto de lei. “O debate será levado a cabo hoje e irá durar até 3h”, anunciou Bercow.

A moção, liderada pelo deputado trabalhista Hilary Benn mas subscrita por vários conservadores, exige que, até 19 de outubro, o primeiro-ministro britânico seja obrigado a dar aos deputados as opções de aprovar um acordo de saída ou de aprovar uma saída sem acordo, caso contrário terá de pedir uma nova extensão da data de saída até 31 de janeiro.

Tags: Boris Johnson Brexit Parlamento britânico
A+ A-